Entrevista com Débora Duboc

Avalie

Em sua primeira novela, a atriz dá show de talento na pele de Olga, em Passione

 

Entrevista com Débora DubocGuia da TV: Você fez muito cinema e teatro. Essa é sua primeira novela?

Débora: “É minha primeira novela, e está sendo muito gostoso! Eu nunca pensei que ia aprender tanto com a tevê. Está sendo um exercício como atriz muito intenso. No cinema, a gente não tem oportunidade de estar praticando com a câmera o ano inteiro. No ano passado, eu fiz dois longas, o que é um privilégio pra uma atriz brasileira, mas assim mesmo é pouco, a gente não tem uma indústria. E a tevê é realmente uma indústria, é uma coisa muito bem estruturada. E eu tive a sorte de estar com um autor que privilegia o texto, que é o Silvio de Abreu, e estar com a diretora Denise Saraceni, que adora o trabalho do ator, além de estar com um elenco excepcional. É um privilégio pra uma atriz poder estar contracenando diariamente com a Cleide Yaconis, com a Fernanda Montenegro, com o Leonardo Villar, com Elias Gleiser, e também o elenco mais jovem, como Rodrigo Lombardi, o Marcello Antony, a Mariana Ximenes, que é uma atriz maravilhosa, e é delicioso contracenar com ela. Tem ainda a Carolina Dieckman, uma jovem superexperimente em tevê, o Gianecchini, que tenho trabalhado bastante com ele… São atores de uma dedicação…”

 

Guia da TV: E como é a relação entre vocês nos bastidores? Rola um clima de amizade?

Débora: “Eu fui muito bem recebida! Pelo fato de ter feito mais teatro e cinema, achei que esses meus companheiros pudessem não me conhecer, e não me receberem bem, porque a gente ouve histórias horrorosas sobre tevê. Mas pelo contrário, eu fui recebida muito bem, todos sabiam que eu estava fazendo minha primeira novela, então, queriam me ajudar a fazer essa adaptação rapidamente, e o clima de “Passione” é muito bom! Com a Leandra Leal eu já havia filmado junto, aliás, estamos eu, a Leandra e o Cauã num longa que gravamos no ano passado e que no ano que vem deve entrar em cartaz. E a Lelê (apelido da Leandra), quando eu contei pra ela que ia fazer “Passione” também, ela disse: A Denise (diretora) tem um talento de escalar gente que tá feliz! Então, tem isso: é um elenco satisfeito, que joga todo mundo pra chutar pro mesmo gol, e isso cria um astral na equipe toda. O trabalho da tevê é muito puxado, as pessoas só vêem o lado do glamour, mas tem um trabalho puxadíssimo… Eu chego na tevê às onze da manhã e saio de lá às nove ou onze da noite… É uma equipe toda trabalhando muito, e existe um espírito de colaboração entre todos. É puxado, é trabalhoso, cansa, mas é muito gostoso!”

 

Guia da TV: Como é a sua vida familiar?

Débora: “É uma casa de artistas, né? Então, não temos uma vida com um cotidiano muito organizado no sentido de horários… Não é uma casa convencional, que o pai e a mãe trabalham de tal hora a tal hora. Eu tenho uma rotina com eles (um filho tem 4 anos e o outro tem 10), e a gente divide muito a responsabilidade de educar e cuidar dos nossos filhos. Nós somos muito parceiros: o Toni e eu, sabe. E apesar da nossa rotina maluca, eles conseguem ter um porto-seguro na gente e saber que podem contar com a gente.. Quando eu não estou, o Toni está cuidando, e quando ele não está, eu cuido. E eu criei meus bichinhos como vira-latas. Como cachorrinhos pra se adaptarem a tudo! Então, a cada estreia, a cada filme que a gente vai rodar, eles sabem que a gente vai entrar numa rotina intensa, caótica, mas eles aprenderam que a viver esse momento sempre como uma grande aventura que eles vão atravessar conosco.”

 

Guia da TV: E quando a família está toda junta, o que mais gostam de fazer?

Débora: “Olha, a gente vai muito a museus, eles adoram. Eu gosto muito de ir à praia com eles, eles têm loucuras pelo mar, por cachoeiras. Tem uma mata ainda exuberante em alguns lugares e eles curtem muito. Eles também vão muito ao cinema com a avó paterna. Vão muito também ao teatro comigo, eu gosto de levá-los para vê-los bons espetáculos infantis, e às vezes, vão comigo também a alguns espetáculos adultos. Eles adoram ir ao teatro quando eu estou em cartaz. Eles já sabem o caminho dos camarins, dos técnicos… O meu camarim sempre tem frutas, mas o dos técnicos tem chocolate, bolo, então, eles ficam esperando essa hora (risos).”

 

Guia da TV: Qual sua receita de felicidade?

Débora: “É uma coisa que eu falei pro meu filhinho uma vez, que é dizer a verdade! É melhor olhar no olho e falar a verdade mais cabeluda do que inventar uma mentira bonita. Porque depois, com a mentira a gente fica escravo dela, e isso é muito vivido em “Passione”. Eu acho que essa verdade a gente pode levar pra tudo: na relação com os filhos da gente, na relação com os colegas, com o companheiro. É aprender a olhar e ser sincero, ser verdadeiro. É difícil, mas isso acaba definindo a forma de se relacionar que pode trazer um amor profundo, uma solidariedade profunda, e isso pode trazer momentos muito felizes.”

Entrevista: Eliane Calixto

Foto: Divulgação TV Globo/Rafael França

Mais lidas