Xica da Silva foi mesmo a negra mais poderosa de seu tempo? Entenda

Xica da Silva foi mesmo a negra mais poderosa de seu tempo? Entenda

Xica da Silva foi uma ex-escrava que viveu durante o século XVIII, e ficou famosa por ter conseguido conquistar um rico contratador de diamantes da época, tornado-se sua amante e detentora de muitos bens e privilégios

Mulheres, escravas, carregando mercadorias na cabeça, crianças
Muitas ex-escravas tiveram o mesmo destino de Xica da Silva, ou então conseguiram sobreviver mantendo-se com seu próprio trabalho. FOTO: Reprodução/iStock.com e Getty Images

A ex-escrava Xica da Silva viveu na Minas Gerais do século XVIII e conquistou o riquíssimo contratador de diamantes João Fernandes de Oliveira com sua beleza. Tornando-se sua esposa não-oficial, ela passou de Xica da Silva a Francisca da Silva de Oliveira e deixou muita dama nobre no chinelo: virou sinônimo de elegância e festas sofisticadas.

mulher, loira, mandando beijo, piscadela

FOTO: Reprodução

A história repercutiu muito. Ao longo dos séculos, os relatos sobre Xica acabaram por enaltecer sua figura de uma tal forma que muitos a consideram a negra que alcançou maior poder nesse período. Contudo, hoje sabemos que o caso da ex-escrava não foi nenhuma novidade para a sociedade da época.

O caso era mais comum do que se pensa

Durante a escravidão, a sociedade brasileira não se dividia apenas em senhores de engenho e escravos. Havia negros livres e mulheres libertas, ex-escravas que viravam senhoras casadas ou que mantinham relacionamentos não-declarados com homens brancos. Algumas nem precisavam de alguém que as sustentasse, pois viviam do próprio trabalho em áreas relativamente urbanizadas.

Mulheres, escravas, carregando mercadorias na cabeça, crianças

Muitas ex-escravas tiveram o mesmo destino de Xica da Silva, ou então conseguiram sobreviver mantendo-se com seu próprio trabalho. FOTO: Reprodução/iStock.com e Getty Images

 

SAIBA MAIS

A feijoada foi inventada pelos escravos? Descubra!

A comunidade de Canudos era um lugar onde havia igualdade social?

 

Texto: Maria Carolina Vieira e Victor Santos Edição: João Paulo Fernandes