Veja como escolher o tapete certo para cada tipo de ambiente

O item promove um toque decorativo e dá um ar de aconchego incrível

Três salas com diferentes tapetes. Tapete como escolher
Fotos: Luis Gomes

Os tapetes têm a capacidade de mudar o astral de um espaço, garantindo maior aconchego e elegância. Seja em salas de estar, jantar ou de TV, o item agrega muito mais do que conforto: um tapete bem escolhido realça o estilo da decoração. Sozinhos ou sobrepostos, geométricos ou coloridos – seja em um tom mais forte ou em um estilo mais clean: o tapete vem com a missão de ser um delimitador de espaços. Para ajudar na missão de valorizar os ambientes, os designers de interiores Lome Chung e Paulo Brites, do escritório Icono Projetos e Interiores, e os arquitetos Felipe Luciano e Vanessa Keiko, do escritório Estúdio FCK, reuniram os pontos mais importantes que envolvem o tema. Confira.

1. Proporção

“Tapetes são bem-vindos em qualquer ambiente. Aos meus clientes, sempre indico que eles conheçam o layout do espaço que irão colocar o tapete, para escolher entre os inúmeros tamanhos e padrões que encontramos no mercado”, orienta Paulo Brites. Na sala de estar, o tapete deve ficar cerca de 15 cm – ou mais –para baixo dos móveis que estão no ambiente. Já para a sala de jantar o cálculo muda, pois a área é delimitada quando as pessoas estiverem sentadas à mesa. “Normalmente prevejo avançar 70 cm considerando as cadeiras ajeitadas”, explica Vanessa Keiko.

2. Formato

“Quando o assunto é o formato, modelos retangulares e quadrados são os mais tradicionais e sempre bem-vindos”, conta o arquiteto Felipe Luciano. O tapete redondo, por exemplo, pode ser um dos destaques do décor, “mas independente do formato da peça, sempre deve estar alinhada com o estilo do projeto” comenta Lome Chung.

3. Tapete com cores

“Sou bastante favorável ao uso das cores, mas é importante dosar na medida certa”, ressalta Brites. O designer não recomenda deixar a escolha do tapete como um dos últimos itens da lista e utilizar, como pontos decisivos, o tamanho do ambiente, tipo de piso, mobiliário e outros itens do décor, como as cortinas. “Para um tapete estampado, por exemplo, a regra é não fugir da paleta de cores do projeto”, indica Lome Chung.

4. Materiais

A peça pode apresentar texturas e espessuras diferentes. “O tipo de material é escolhido de acordo com a necessidade do morador. Em uma casa com pessoas alérgicas, crianças ou pets, recomendamos os sintéticos, produzidos com nylon, couro ecológico ou lona, pois facilita o processo de limpeza”, ressalta Vanessa Keiko. Todavia, independente das estampas, tamanho, cores ou desenhos, “a melhor regra é a boa sensação que eles precisam transmitir ao ambiente”, finaliza Felipe Luciano.

Consultoria: Lome Chung e Paulo Brites, designers de interiores da Icono Projetos e Interiores; Felipe Luciano e Vanessa Keiko, arquitetos do Estúdio FCK

LEIA TAMBÉM