Como o vegetarianismo ajuda a preservar o meio ambiente?

A dieta permeia todos os campos da vida e contribui para a construção de uma existência que agrida menos a natureza

Vegetarianismo e meio ambiente
Ilustração: Reprodução/Pinterest

Vegetarianismo e meio ambiente estão intrinsecamente ligados, principalmente quando o assunto é sua preservação. Isto porque, apesar de muitas pessoas não saberem, ser vegetariano vai muito além de apenas não consumir carne – é um tipo de dieta que permeia todos os campos da vida e contribui para a construção de uma existência que agrida menos a natureza.

Como vegetarianismo e meio ambiente fazem parte de uma coisa só?

Desmatamento

Cerca de 75% das terras agricultáveis do planeta são usadas para pastagem e produção de ração para a pecuária. Na América Latina, as fazendas de gado são a principal causa do desmatamento de florestas e extinção de plantas nativas. Somente no Brasil, de acordo com informações divulgadas pela ONU, mais de 80% do desmatamento entre 1990 e 2005 foi realizado para suprir a demanda de consumo de carne.

Consumo de água

Segundo dados divulgados pela FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), o gasto estimado para produzir 1 libra (o equivalente a 0,453 kg) de proteína de carne é 16 vezes maior do que o necessário para produzir a mesma quantidade de proteína vegetal. Isto porque na pecuária, a água é utilizada na irrigação dos grãos para ração, dessedentação dos animais, higienização das instalações e retirada de dejetos.

Outra comparação pode ser traçada entre a produção de 1kg de carne bovina (que utiliza em média 15 mil litros de água) e a mesma quantidade de cereais (que usa cerca de 1644 litros). As informações são de pesquisas realizadas pela organização internacional Water Footprint.

Gás metano

O valor estimado pelos cientistas é de que mais de 500 milhões de toneladas de metano são liberadas anualmente na atmosfera, exclusivamente, por conta da criação de gado. Sua emissão, além de ser extremamente prejudicial ao planeta, também representa enormes riscos à saúde humana se inalado, podendo causar parada cardíaca, asfixia, inconsciência e até danos severos no sistema nervoso central.

Efeito estufa

Apesar dos prejuízos incalculáveis da liberação de metano na atmosfera, ele não é o único gás que contribui para a aceleração do efeito estufa e coloca em risco a qualidade de vida na Terra. Segundo uma pesquisa da Universidade de Oviedo, na Espanha, cada dúzia de ovos tem o mesmo impacto que 2,7 kg de CO2 no meio ambiente.

Não consegue entender o tamanho do abalo que tem isso? Talvez com outro exemplo fique mais claro: apenas um hambúrguer de carne de aproximadamente 200g é capaz de liberar na atmosfera a mesma quantidade de gases de estufa em sua produção quanto dirigir um carro por 16 km.

Solo

Problemas de desertificação, erosão e redução dos nutrientes do solo contribuem significativamente para o aquecimento global. As queimadas, método muito utilizado para a retirada da vegetação original e a criação de pastos, são, também, um agravante para a liberação de gases e para que as terras se tornem improdutivas.

Desperdício

Além de todos esses danos diretos, o consumo de carne também é responsável pelo incentivo de uma cultura de desperdício. A pecuária precisa se auto-alimentar para existir, portanto, nessa lógica, metade de toda proteína produzida no mundo acaba sendo usada como ração. Especificamente, no Brasil, esse número é ainda maior, chegando a 79%, enquanto apenas 16% é destinada à alimentação humana.

Desta forma, vacas, porcos e galinhas acabam consumindo muito mais alimentos do que são capazes de fornecer. Tendo em vista este cenário, a implantação de uma alimentação vegetariana ou vegana no planeta poderia ser uma forma de diminuir estrondosamente o número de pessoas em situação de fome extrema.

Perda da biodiversidade

O desmatamento causa impactos negativos múltiplos na natureza e na saúde humana. A agressão é tão grande que afeta até mesmo aquilo que não foi diretamente atingido. Isso acontece porque, ao desmatar determinadas áreas, diversas espécies que precisam de características específicas daquele ambiente para sobreviver passam a ter suas existências comprometidas.

E essa situação não é exclusiva das áreas de pasto. A indústria da pesca causa danos similares na biodiversidade dos oceanos por conta da captura acidental. Se não bastasse, milhares de espécies, como lobos, ursos, lontras e onças, que são vistas como uma ameaça para as indústrias de exploração de animal – por razão do risco que oferecem à vida do gado, por exemplo, são assassinadas diariamente para impedir o processo natural de caça.

Agora que você já conhece a relação entre vegetarianismo e meio ambiente, que tal começara reduzir o consumo de carne em sua alimentação?

Leia também: