O turismo gastronômico combina duas paixões: comer e viajar

O que você prefere: um bom jantar em um restaurante ou uma viagem "imperdível"? Muita gente decide não escolher apenas por um dos dois. O turismo gastronômico une o melhor de ambos.

Por Vinicius Galico - 22/08/2018

Viajar, conhecer culturas e culinárias diferentes: o turismo gastronômico é uma opção. Foto: Pexels/Pixabay

Comer e viajar, viajar de novo e comer mais um pouco. Quem não se delicia com esses dois hábitos? Pois é, não tem jeito, as duas coisas estão entre as grandes paixões da humanidade e não há nada de novo nisso. A novidade fica por conta da união desses amores: o turismo gastronômico, ou seja, viajar para degustar a culinária de um país ou região, vem com tudo entre as tendências de turismo. Conheça algumas dicas de destino.

A gastronomia essencialmente orgânica – Vancouver, Canadá

O Granville Island Public Market é um destino imperdível para o turismo gastronômico local. Foto: Pixabay/ptra

A região de Vancouver, no Canadá é conhecida pelas suas grandes áreas de cultivo orgânico, além de um clima que proporciona frutas, vegetais e legumes típicos para cada estação. Para os fãs de turismo gastronômico, a sugestão é conhecer o agitado e colorido mercado de frutas e legumes de Granville Island Public Market. São diversas bancas que oferecendo alimentos sazonais, com certeza irão te aproximar da natureza.

A preocupação com a qualidade dos ingredientes que chegam às mesas dos consumidores movimenta um intenso mercado de restaurantes que adotam o conceito “do campo à mesa”, como o Farmer’s Apprentice e o Burdock & Co.. Os menus exclusivamente sazonais variam conforme o clima ou a inspiração do chef, mas uma coisa é consistente: você só terá ingredientes fresquíssimos na sua mesa, das terras dos produtores diretamente ao seu garfo.

Comida de rua – Hanói, Vietnã

O turismo gastronômico pode te surpreender em meio ao caos urbano de Hanói. cFoto: Flickr/Maxime Guilbot

Dentre as caóticas metrópoles do sudeste asiático, Hanói se destaca por ter um algo a mais em suas paisagens urbanas de ruas estreitas e recheada de ambulantes. A culinária de rua é presença garantida por onde você passar, e ela pode te surpreender. Faça uma parada e deguste a culinária típica deste país, como um Banh Bao recheado com porco marinado, ou um arroz com raiz de lótus em uma das barracas e estendes espalhadas pela cidade. É a forma mais certeira de entrar em contato com a comida tradicional.

 

Tour gastronômico excêntrico – Tóquio, Japão

Tóquio é, definitivamente, a capital mundial para quem quer fugir do convencional. E no quesito gastronômico não é diferente. Foto: Flickr/Eddy Milfort

Se você é daqueles que gosta de ir além do convencional, Tóquio está de portas abertas. Conhecida pelas suas “estranhezas” e excentricidades, a cidade não irá te desapontar de forma alguma, muito menos na gastronomia.

Restaurantes como o Alcatraz, que serve suas refeições em celas iguais aos de presídios, ou o Robot Restaurant, onde você pode degustar de uma culinária exótica enquanto assiste lutas de robôs são as nossas sugestões.

Pela cidade você irá encontrar muitos pratos pra lá de diferentões, como sashimi de rã, testículos de porcos crus e até mesmo coração de sapo ainda pulsante. Mas calma, se você somente gosta de ver – e não de comer – coisas exóticas, Tóquio também é o seu lugar. A cidade sabe unir muito bem o novo e o tradicional.

Slow Food – Florença, Itália

A culinária italiana vai além dos seus pratos. A forma de comer é quase um estilo de vida. Foto: Pixabay/3analytics

O turismo gastronômico pela Itália é mais do que conhecido mundialmente. Quem não gosta de pelo menos algum prático típico desse país com formato de bota? Viajar para lá é mergulhar ainda mais em um universo de pratos tradicionais que não se difundiram pelo mundo como a pizza e o macarrão, mas que ainda assim são deliciosos.

Mas a relação entre os italianos e a gastronomia vai além da própria comida e bebida. Lá, se come com todo os sentidos e a alma. Foi justamente na Itália a surgir um conceito muito antigo, mas que agora vem se difundindo pelo mundo, o Slow Food. A ideia é não ter pressa na hora de comer. Pausa rápida do trabalho para literalmente devorar um podrão? Na Itália, não. O horário das refeições é muito respeitado e eles garantem: esse hábito faz toda a diferença na hora de saborear os pratos e até mesmo para a digestão.

Nossa sugestão de destino é Florença, a histórica capital da região da Toscana, uma das mais belas de toda o país. O turismo gastronômico por lá tem o diferencial de oferecer a oportunidade de degustar a gastronomia local de diversas outras províncias da Itália em um só local. Não perca tempo!