Tecnologia contribui para o surgimento de ansiedade

Você sabia que, apesar de benéficos em alguns pontos, os avanços da tecnologia podem agravar a ansiedade? Saiba como evitar as crises

homem com várias imagens na cabeça
Foto Shutterstock.com

Responda com sinceridade: você é capaz de ficar vários minutos ou até horas sem utilizar o seu celular? Ou então permanecer um dia todo sem consultar suas redes sociais ou os portais de notícias? Apesar de a tecnologia ter possibilitado inúmeros avanços e ter trazido incontáveis vantagens às pessoas, ela também pode ser a responsável por causar uma séria doença: a ansiedade. Passar 24 horas por dia conectado e recebendo informações tem suas vantagens, porém, em contrapartida, o cérebro e o psicológico precisam descansar em algum momento. Exatamente por isso é necessário que as pessoas aprendam a desacelerar.

Tecnologia contribui para o surgimento de ansiedade

Foto Shutterstock.com

O tempo voa

Embora o dia continue tendo as mesmas 24 horas que tinha há mais de mil anos, a impressão é de que não conseguimos fazer tudo aquilo que queremos. O resultado? As crises de ansiedade aparecem e a saúde fica comprometida.

E qual a relação da tecnologia com esse fator? É que as pessoas ficaram acostumadas a ter respostas imediatas e, quando isso não ocorre, a sensação de impotência fica predominante, gerando esse sentimento. Além do mais, o bombardeio constante de informações decorrentes do acesso fácil aos mais variados canais de notícias piora a situação.

Mas, afinal, qual é o papel da tecnologia?

A ânsia por contato rápido e respostas imediatas na comunicação, o desejo de controlar a vida alheia, e a necessidade patológica por atenção e aceitação podem ser potencializados pela tecnologia e as redes sociais. Esses comportamentos desequilibrados sempre existiram, porém, a tecnologia e as redes sociais ampliaram as formas de exercê-los de forma contínua e até socialmente aceita. “Hoje em dia, é comum atender no consultório pacientes em sofrimento por não terem recebido a atenção desejada nas redes sociais ou por não conseguirem parar de vigiar pessoas através de aplicativos de busca”, afirma a terapeuta e coach Erica Aidar.

De uma forma mais simples, é possível dizer que o avanço tecnológico acelera as situações de ansiedade, pois há uma necessidade de estar atualizado e antenado a tudo e a todos, aumentando o número de situações que levam a esse estado. “Queremos que a pessoa nos responda no WhatsApp na hora e nos habituamos a acessar o Facebook para curtir e compartilhar informações o tempo todo. Enfim, nós nos cobramos e assumimos muitas atividades simultaneamente sem a capacidade real de darmos conta delas”, explica o psicoterapeuta Robby Ares.

Existe solução

É possível aproveitar os benefícios da tecnologia sem prejudicar a saúde, prevenindo as crises de ansiedade. “Precisamos realizar uma seleção do que fazer e termos uma atitude saudável usando a tecnologia, mas filtrando e alternado com o convívio com as pessoas e com a natureza, que é um fator essencial de equilíbrio físico, mental e emocional”, finaliza Robby.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Erica Aidar, terapeuta e coach; Robby Ares, psicoterapeuta.

Texto: Larissa Mortari – Edição: Augusto Biason/Colaborador