Sexo na terceira idade: como contornar as mudanças no corpo (+18)

Sexo é bom seja jovem ou idoso. Saiba como contornar as mudanças no corpo devidos à terceira idade e curtir os prazeres do sexo nessa nova etapa da vida!

Na imagem, o homem está sentado em um tronco de arvore com vestes de fazendeiro enquanto sua mulher está erguendo seu chapéu para beija-lo no meio do mato. Mudanças no corpo.
Por Natalia Negretti - 19/01/2018

(Foto: Reprodução/Pexels)

Após os 60 anos, uma série de transformações significativas ocorrem pelo organismo, tanto física quanto mentalmente, o que pode representar um sinal de desconforto e desestímulo para o sexo. No entanto, é possível contornar a situação e ter prazer na cama. Saiba como resolver os desafios das mudanças no corpo!

Mudanças no corpo

Nas mulheres, depois da menopausa, ocorre a diminuição da lubrificação vaginal (o que pode causar algumas dores durante a relação), da libido e alterações fisiológicas na pele e nas mamas. Em muitos casos, esses obstáculos podem ser facilmente resolvidos com a reposição hormonal, além disso, usar lubrificante pode deixar o sexo ainda mais prazeroso.

Já nos homens, a principal queixa diz respeito à dificuldade de obter uma ereção. Além da excitação demorar, a prática sexual pode ser mais rápida, interferindo de modo negativo no psicológico. As taxas de testosterona e dopamina (um dos principais neurotransmissores relacionados ao sexo) apresentam uma redução e um aumento de prolactina, responsável pela perda do desejo sexual. Existem remédios que podem ajudar nessa parte, como o Viagra (a famosa “azulzinha”).

Mente sã

Os fatores emocionais também são indicados como obstáculos para o sexo nessa faixa etária. O medo de envelhecer, da morte são muito comuns entre os idosos, podendo causar ansiedade, depressão e angústia, que representam uma dificuldade na hora de manter uma relação sexual saudável. É aconselhável procurar um especialista para ajudar a contornar esses problemas, além de desenvolver um melhor diálogo e relacionamento com o par.

O psicólogo Breno Rosostolato explica que os idosos precisam se adaptar às mudanças e encará-las sem qualquer tipo de inibição. “A prática sexual é diferente por causa das limitações do corpo, mas deve ser encarada com naturalidade. Alguns movimentos ficam mais restritos e a própria resistência é diferente também. O sexo é mais cauteloso, mas não menos prazeroso e satisfatório. As restrições na saúde são empecilhos e requerem cuidados”, argumenta o psicólogo.

Ajuda de medicamentos

A famosa pílula azul é outro tabu relacionado ao sexo. Este tipo de medicamento facilita a ereção masculina, agindo nos vasos sanguíneos dentro do pênis. O Viagra interfere nas dilatações para que mais sangue permaneça nos corpos cavernosos do órgão e, assim, ocorra a ereção. Porém, assim como qualquer medicamento, ele pode trazer efeitos colaterais, como dores de cabeça, enjoos e outras alterações. “Estes remédios são seguros e sem efeitos colaterais, mas somente quando indicados por um médico”, comenta Márcia Mathias, psicóloga e sexóloga. O ideal é conversar com seu médico antes de usar o medicamento.

 

LEIA TAMBÉM

Consultoria: Breno Rosostolato, psicólogo especialista em sexualidade; Márcia Mathias, psicóloga, sexóloga e diretora da Associação Brasileira de Hipnose (ASBH).
Texto: Andrey Seisdedos/colaborador e Natália Negretti

Edição: Camila Ramos e Rafael de Toledo/colaboradores