Serial killers: os sinais que eles dão na infância

Desde pequenos os futuros assassinos sanguinários dão sinais de que podem se tornar perigosos. Conheça os sinais dados pelos serial killers na infância!

Serial killers: os sinais que eles dão na infância
FOTO: Shutterstock.com

Mesmo que seja difícil categorizar as pessoas capazes de cometer atos cruéis violentos ou não, ao que tudo indica, certas características podem ser observadas na infância, indicando futuros serial killers. Será?

 

Serial killers: os sinais que eles dão na infância

FOTO: Shutterstock.com

Os sinais que os serial killers dão na infância

John MacDonald, psiquiatra forense, revelou em seus estudos que uma tríade de características que podem apontar uma futura personalidade psicótica – e tal tríade, de acordo com a escritora e especialista em serial killers Ilana Casoy no livro Serial Killer – louco ou cruel?, parece estar presente no histórico de todos os assassinos em série. Trata-se das três características listadas a seguir:

Incontinência urinária avançada, que ainda aparece entre os quatro e os cinco anos de idade;

Crueldade e abuso sádico com animais, e até com outras crianças;

Piromania (vontade incontrolável de atear fogo às coisas);

Escala Hare

A tríade de John MacDonald não consiste na única análise que pode revelar possíveis personalidades cruéis. Após mais de 25 anos de incansáveis verificações no comportamento de psicopatas, o psiquiatra do Canadá Robert Hare elaborou um método, chamado de Escala Hare, que ajuda a diagnosticar aqueles que contam com o distúrbio da psicopatia.

O complexo índice possui vinte itens de avaliação, em que o psiquiatra dá notas de 0 a 2 para cada um dos tópicos. Portanto, a nota final pode ir de nula até 24, que seria o grau máximo da psicopatia. Além da escala, faz-se uma avaliação clínica do histórico pessoal do paciente, estudando seus sentimentos e comportamentos.

 

 

LEIA TAMBÉM

Consultoria: Alexandre Bez, psicólogo e escritor especialista em relacionamentos e ansiedade; Fábio Roesler, psicólogo e neuropsicólogo com especialização em neurofeedback; livro Serial Killer – louco ou cruel? (Ilana Casoy, WVC Editora, 2ª edição); site Ilana Casoy (serialkiller.com.br)