Connect with us

O que você está procurando?

Facebook Twitter Instagram Youtube pinterest
Alto Astral
Saiba quais os riscos da gravidez após abdominoplastia e se os resultados da cirurgia são afetados
A cirurgia de abdominoplastia não impede a gravidez - Foto: Shutterstock

Saúde

Quem fez abdominoplastia pode engravidar? Cirurgião responde

Saiba quais os riscos da gravidez após abdominoplastia e se os resultados da cirurgia são afetados

A abdominoplastia é uma cirurgia plástica que tem como objetivo retirar o excesso de gordura e de pele do abdômen. No entanto, muitas mulheres se perguntam sobre a possibilidade de engravidar depois do procedimento. 

A abdominoplastia costuma ser recomendada quando a paciente não planeja mais ter filhos. Porém, a gravidez após a abdominoplastia é possível, desde que ela adote certos cuidados para evitar problemas sérios de saúde.    

Segundo o cirurgião plástico Marcelo Takeshi Ono, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), é importante aguardar no mínimo um ano após a cirurgia para tentar uma gravidez

Esse intervalo de tempo é essencial para a cicatrização total da cirurgia de abdominoplastia. A gravidez antes desse período pode acarretar na abertura dos pontos. 

Além disso, é importante manter o controle do peso para prevenir complicações durante a gestação. Nesse período, a mulher pode engordar entre 8 a 12 quilos, o que pode influenciar bastante na manutenção do resultado da abdominoplastia. 

Por esse motivo, o cirurgião plástico recomenda realizar um acompanhamento nutricional rigoroso com um profissional de saúde para não adquirir novamente a flacidez na região abdominal. 

Como é feita a abdominoplastia?

A abdominoplastia consiste, principalmente, no reforço da parede abdominal e, eminentemente, na correção da diástase abdominal, que é o afastamento muscular, consequência da gestação.

“É muito raro a mulher ter diástase sem ser por consequência da gestação. Por isso, um dos passos importantes é a correção da diástase”, explica o cirurgião plástico Marcelo Takeshi Ono.

A diástase também tem componentes funcionais. Quando ela é muito proeminente, a paciente pode ter dor na região lombar, e, por um abdômen muito flácido, ter perda involuntária da urina, devido à falta de força no assoalho pélvico.  

“Então, o cirurgião corrige a flacidez abdominal, faz a plicatura (fechamento da musculatura) e reforça a parede muscular. Dessa maneira, a paciente também está tratando um componente funcional”, acrescenta o especialista.

Existem também procedimentos mais modernos como o Raft (Rectus Abdominis Fat Transfer) que se trata de enxerto de gordura dentro dos músculos reto abdominais para aumentar o volume muscular e similar maior naturalidade ao abdômen.

Mais notícias como essa

Horóscopo

Querendo saber de TUDO que os próximos sete dias prometem? Descubra agora, no Horóscopo Semanal do João Bidu

Pets

Um sistema imunológico equilibrado reduz riscos de contrair doenças e contribui para a saúde geral dos animais

Amor e Sexo

Segundo pesquisa, Geração Z é a mais propensa a buscar por relacionamentos abertos ou não monogâmicos no geral

Receitas

Algumas pessoas tendem a chorar sempre que estão cortando cebola, mas é possível usar alguns truques para diminuir o problema