Crises de ansiedade podem trazer prejuízos à pessoa e a outros

Crises de ansiedade podem acontecer de uma hora para outra e causar muito sofrimento em poucos minutos. Descubra o que fazer em uma situação dessas

None
Créditos: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/01/2017 às 09:47
Atualizado às 13:10

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Segundo a psicóloga clínica Graziela Vanni, as crises de ansiedade se intensificam por um período médio de sete minutos. Tempo esse relativamente rápido para quem observa, mas que perdura uma eternidade para o ansioso.

Crises de ansiedade podem trazer prejuízos à pessoa e a outros

Créditos: Shutterstock Images

“Após a crise, é bem comum, pelo desgaste cerebral vivido, que a pessoa sinta por mais ou menos três dias sensações depressivas, como desânimo, tristeza, pensamentos negativos constantes”, explica a profissional.

Em situação de desespero

Além de os sintomas da ansiedade serem capazes de causar grandes prejuízos por si só, a reação da pessoa durante uma crise também pode representar um grande risco à ela mesma.

“Se ela tiver comorbidade com algum distúrbio de personalidade, pode querer agredir a quem estiver próximo. Tratando-se da ansiedade, transtorno de pânico ou alguma fobia, ela se enfraquece, não sendo uma ameaça para si ou outros a sua volta”, avalia Graziela.

A utilização de remédios por indicação de pessoas próximas também pode ser um ato de desespero na tentativa de amenizar o sofrimento. Ou, até mesmo, como aponta Letícia, “aumentar por conta própria a dose de uma medicação que já toma, visando atenuar os sintomas rapidamente”. Essa atitude, segundo a psicóloga, é um grande risco, uma vez que os medicamentos contra a ansiedade podem causar efeitos colaterais severos se não administrados de forma correta, com o acompanhamento de um profissional especializado.

E no mais extremo dos casos, se a ansiedade da pessoa estiver relacionada com pensamentos suicidas, na hora do desespero, ela pode vir a se matar. Assim, é possível ter a real dimensão da importância de não deixar que as crises evoluam a tais pontos.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevistas: Giovane Rocha/Colaborador – Edição: Augusto Biason/Colaborador

Consultorias: Ester Torres Nascimento, psicóloga; Graziela Vanni, psicóloga clínica cognitiva-comportamental; Leticia Rapôso, psicóloga, mestre em psicologia clínica, especialista em mediação de conflitos, pós-graduada em terapia de família e em terapia infanto-juvenil.

TAGS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.