Riscos da cirrose: por que essa doença pode ser perigosa?

Muitas vezes silenciosa, os riscos da cirrose são inúmeros, chegando a causar até perda total das funções do fígado. Conheça suas principais causas e sintomas e previna-se!

Riscos da cirrose: parar de metabolizar o álcool
Os riscos da cirrose vão desde insuficiência do fígado até pausa de todas as suas funções. FOTO: iSotck.com/Getty Images

Presente mais em homens acima dos 45 anos, mas que também acomete mulheres, a cirrose é uma doença crônica do fígado que altera as funções de suas células. Além disso, ocorre a fibrose, transformação do tecido original em tecido com um aumento de fibras. Há, então, a formação de nódulos que bloqueiam a circulação sanguínea no fígado. Essa doença faz com que o órgão produza tecido de cicatrização no lugar das células saudáveis que morrem, parando de desempenhas suas funções, normais. E os riscos da cirrose não param por aí, conheça-os abaixo!

Fique ligado!

Além de causar insuficiência do fígado, ela também pode causar hipertensão do “sistema porta” (sistema que transporta o sangue dos órgãos abdominais para o fígado) com formação de varizes no esôfago e risco de sangramento digestivo. O órgão para de: produzir bile (um agente emulsificador de gorduras), auxiliar na manutenção dos níveis normais de açúcar no sangue, produzir proteínas, metabolizar o colesterol, o álcool e alguns medicamentos. É considerada uma doença terminal do órgão e pode resultar em diversas doenças diferentes, levando a complicações decorrentes da destruição de suas células, também da alteração da sua estrutura e do processo inflamatório crônico.

Perigo por perto

Riscos da cirrose: parar de produzir bile

Ingestão de álcool em excesso é um das causas da cirrose. FOTO: Shutterstock.com

A ingestão abusiva de álcool aumentou bastante o número de portadores da doença nos últimos anos, mas essa não é a única forma de desenvolvê-la. Na verdade, a cirrose pode ter muitas causas, como: problemas hereditários, que podem causar a doença em crianças, pelo vírus das hepatites B e C, por uso de determinados medicamentos e pela hepatite autoimune. Com poucos sintomas específicos, a cirrose costuma ser silenciosa, manifestando-se apenas em estágio já avançado. Os principais são: náuseas, vômitos, perda de peso, dor abdominal, fadiga, fígado aumentado, olhos e pele amarelados (icterícia), urina escura, perda de cabelo e inchaço (principalmente nas pernas).

Com a cirrose não se brinca

Em casos mais avançados pode ocorrer a encefalopatia hepática (síndrome que provoca alterações cerebrais provocadas pelo mau funcionamento do fígado). No entanto, durante muito tempo a doença pode evoluir sem causar sintomas. Ela é irreversível e pode ser fatal! Portanto, em caso de qualquer sinal, procure um médico! Segundo o Dr. Drauzio Varella, a primeira coisa a fazer diante do diagnóstico de cirrose é eliminar o agente agressor, no caso de álcool e drogas, ou combater o vírus da hepatite e para casos mais graves, o transplante de fígado pode ser a única solução para a cura definitiva da doença.

 

Texto: Redação Alto Astral

 

LEIA TAMBÉM: