Puberdade na menina está começando um ano mais cedo, diz estudo

Obesidade e exposição a produtos químicos podem estar relacionados

puberdade na menina
Foto: Shutterstock

Você com certeza já deve ter ouvido falar que mulheres amadurecem mais rápido que homens. A fala, que até então era levada como dito popular, ganhou mais força após a publicação de uma pesquisa na JAMA Pediatrics, periódico médico. O estudo explica que, atualmente, a puberdade na menina começa um ano antes em comparação com análises equivalentes em 1970.

De acordo com os dados observados, a idade do desenvolvimento do tecido glandular da mama diminuiu três meses por década entre os anos de 1977 e 2013. Cientistas do Hospital Nacional da Dinamarca estudaram aproximadamente trinta quadros diferentes sobre o tema.

A influência deste diagnóstico sobre a saúde da mulher a longo prazo ainda não estão claros. “A pesquisa mostra a necessidade de mais estudos sobre as implicações do desenvolvimento precoce das mamas“, ressalta Alexander Busch, co-autor do exame.

O especialista ainda citou como exemplo as implicações da menstruação precoce, o último sinal da puberdade na menina. Quando o sangramento ocorre antes do tempo habitual, a mulher está mais suscetível a obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e alergias.

De acordo com a publicação, ainda não há como definir um fator único para as mudanças. Os pesquisadores apontam uma série de condições que podem ter contribuído para as alterações no corpo da mulher.

A obesidade estaria entre os principais pontos de avaliação. “O tecido adiposo é uma parte importante do nosso sistema hormonal, produzindo e metabolizando hormônios. Desse modo, um IMC alto para idade tem sua contribuição”, comentou Alexander. A exposição a produtos químicos no ambiente também podem induzir ao quadro da puberdade na menina cada vez mais cedo.

A pesquisa também descobriu que o crescimento dos seios variou em todo o mundo ao longo dos anos. Na Europa, a idade média fica entre 10 a 11 anos, no Oriente Médio de 9 a 11 anos, na Ásia de 9 a 11 anos, nos Estados Unidos de 9 a 10 anos e na África de 10 a 13 anos.

Leia também: