Prevenção ao suicídio: saiba o que você pode fazer para evitar

A cada 100 pessoas, 17 já pensaram em tirar a própria vida. Entenda os sintomas e seja um aliado na prevenção ao suicídio

mulher ruiva sentada na escada
Foto: iStock

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), todos os anos são registrados cerca de dez mil suicídios no Brasil. A estimativa é que para cada pessoa que dá entrada no pronto-socorro com o problema, outras 17 pensaram no assunto, cinco delas elaboraram um plano e três chegaram a tentar o suicídio e não morreram, nem foram socorridas. Trata-se de uma questão de saúde pública em todos os países.

mulher ruiva sentada na escada

Foto: iStock

Entenda o problema

O suicídio é um comportamento que tem multifatores envolvidos. É resultado de uma complexa interação de fatores psicológicos e biológicos, inclusive genéticos, culturais e socioambientais. Quase sempre existe uma doença mental que altera a percepção da realidade e interfere no livre arbítrio dos suicidas. Por isso, é importante que seja feito o tratamento adequado, já que esse é o pilar mais importante da prevenção de acordo com o manual Suicídio: Informando Para Prevenir, feito pela Associação Brasileira de Psicologia (ABP). É importante ressaltar que após o tratamento o desejo de se matar quase sempre desaparece.

Sintomas

O psicólogo Bayard Galvão explica que embora algumas vezes essa pretensão seja assintomática, na maioria dos casos é possível encontrar pistas do problema. “O isolamento social, a tristeza constante, a raiva intensa de si e comentários do tipo: a vida não tem mais graça, ou, não sei para que viver, são alguns indícios”, explica Galvão

Dá para evitar?

Algumas dicas do psicólogo Galvão podem colaborar para reduzir o número de suicídios como:

Não menosprezar o sofrimento ou falas da pessoa;

• Procurar tratamento psicológico e psiquiátrico;

• Procurar ouvir o que a pessoa está sentindo, evitando julgar demais para não calá-la;

• A pessoa mais próxima deve procurar terapia para aprender, dentro do possível, a auxiliar quem está nessa situação;

• Ter familiares, amigos ou profissionais vigiando este indivíduo 24 horas por dia, 7 dias por semana; • Procurar distrair quem tem ideias suicidas com coisas alegres;

• Tentar criar uma situação de utilidade para o indivíduo, com trabalhos voluntários ou mesmo fazer coisas na casa;

• Pedir para que ele se coloque no lugar dos filhos, pais, esposo ou esposa e imaginar como eles viriam a se sentir caso cometesse o ato.

Tratamento

Para o psicólogo é importante o acolhimento dos familiares e amigos somado ao tratamento, com a ajuda de psiquiatras que receitariam medicamentos calmantes e antidepressivos e de psicólogos que tratariam as causas dos pensamentos sobre suicídio.

LEIA TAMBÉM:

Consultoria: Bayard Galvão, psicólogo clínico, especialista em hipnoterapia e Presidente do Instituto Milton H. Erickson de São Paulo, e Suicídio: informando para prevenir, da Associação Brasileira de Psicologia e Conselho Federal de Medicina