Seu cachorro está com coceira? Alergias podem ser a causa

Se a coceira está incomodando o pet é sinal de que algo com certeza está errado, viu? Saiba mais sobre crises alérgicas em cachorro

Alimentação pode ser a causa da coceira em cães
Alimentação pode ser a causa da coceira em cães - Shutterstock

por Thaís Lopes Aidar
Publicado em 26/04/2022 às 15:00
Atualizado às 15:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Ver um cachorro se coçar de vez em quando é completamente normal. Mas se esse hábito se torna mais frequente e intenso, algo está errado e é hora de investigar. Assim, se além da coceira, houver também vermelhidão, queda de pelos, descamação, odor e lesões, o cão pode estar sofrendo com crises alérgicas. 

Segundo a médica veterinária Mariana Raposo, a crise alérgica acontece como um mecanismo de defesa do corpo do animal contra algo que o sistema imune acredita ser perigoso. "A pele é o maior órgão dos cães e funciona como uma barreira que o protege contra lesões químicas, físicas e microbiológicas. Quando este ecossistema se fragiliza, a pele fica mais vulnerável", explica. 

Sendo assim, é importante à ida ao médico veterinário quando algum sintoma for notado para diagnosticar a causa dessa alergia. Entre as principais estão: dermatite alérgica à picada de ectoparasitas (DAPE), hipersensibilidade alimentar (HA) e dermatite atópica. Abaixo, Mariana explica como cada uma surge e qual o tratamento ideal. Confira! 

Seu cachorro está com coceira? Alergias podem ser a causa
A queda de pelos está entre os possíveis sintomas das crises alérgicas (Foto: Shutterstock)

Dermatite alérgica à picada de ectoparasitas (DAPE)

Causada pela picada de pulgas ou carrapatos, essa é a alergia mais fácil de diagnosticar e também de tratar. A coceira exagerada é causada pela saliva desses parasitas, e outros sintomas podem surgir, como queda de pelos no local da picada, descamação e até mesmo lesões ou infecções. O tratamento é feito com a eliminação dos ectoparasitas tanto do pet, quanto do ambiente, e prevenção com a utilização de antipulgas e anticarrapatos. 

Hipersensibilidade alimentar (HA)

Como o próprio nome já diz, essa crise alérgica está ligada à alimentação e acontece quando o organismo classifica como "agressor" algo consumido pelo pet. É mais comum acontecer com os seguintes alimentos: carne bovina, frango, cordeiro, soja, milho e trigo. O diagnóstico e tratamento do bichinho que sofre com HA é com base em mudanças na alimentação e acompanhamento veterinário de perto. 

Dermatite atópica

A mais comum entre as alergias, atingindo cerca de 20% a 30% da população canina mundial, mas sem cura. Com causas ainda não esclarecidas, a dermatite atópica é hereditária e, embora incurável, pode ser controlada. A inflamação é o principal sintoma da doença e causa vermelhidão ao redor dos olhos, na boca, patas, condutos auditivos, virilha e abdômen. O diagnóstico é feito por testes de alergia e o tratamento consiste em "educar" o sistema imunológico para evitar reações exageradas.  

Cuidados essenciais

"Manter a saúde da pele é uma necessidade constante para todos os pets, principalmente aqueles que sofrem ou já sofreram com algum tipo de alergia. Para isso, a utilização de produtos como hidratantes e shampoos que nutrem o microbioma cutâneo e são específicos para o animal podem ajudar", complementa a veterinária. 

Portanto, além de cuidar do cão da maneira recomendada pelo médico, lembre-se de buscar ajuda quando notar qualquer sinal de crise alérgica. 

Fonte: Mariana Raposo, médica veterinária e gerente de produtos dermatológicos da Avert Saúde Animal

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.