Gripe em pets: a chegada do frio pede cuidados com a saúde

As baixas temperaturas aumentam os casos de gripe e doenças respiratórias em pets; veja como proteger o seu

Saiba proteger seu bichinho da gripe
Saiba proteger seu bichinho da gripe - Shutterstock

por Thaís Lopes Aidar
Publicado em 19/05/2022 às 14:00
Atualizado às 14:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Basta dar aquela virada de tempo para o nariz começar a escorrer e surgir o típico "mal-estar de gripe", né?! Mas isso não acontece só com nós, humanos, não, sabia? A gripe e outras doenças respiratórias, sobretudo nas épocas mais frias, acomete também os animais, como é o caso da gripe canina, que pode trazer consequências graves quando não tratada corretamente. 

"Neste contexto algumas raças são mais delicadas e a idade do cãozinho deve ser considerada já que filhotes e cães idosos podem ter a imunidade mais baixa. Pugs, Pequinês, Bulldog Francês, Bulldog Inglês, Shih-tzu, Boston terrier, Boxer,  Mastiff Francês, entre outros, podem sofrer mais devido ao formato achatado do focinho", alerta a veterinária Caroline Mouco. 

Quais são os sintomas da gripe em pets?

Segundo a médica, a falta de ar costuma ser o sinal de alerta para o quadro gripal. Entretanto, outros sintomas podem ser observados, como respiração ofegante ou acelerada, comportamento desanimado, falta de apetite, corrimento nasal, olhos lacrimejantes e até tosse seca. 

Dessa forma, vale redobrar a atenção com o animal durante as estações mais frias e, ao notar esses sinais, procurar o médico-veterinário para uma avaliação mais completa e um diagnóstico preciso. Afinal, se não houver tratamento correto, o quadro pode piorar. 

Fique longe da automedicação

Indisposição ou nariz escorrendo parecem coisas simples, por isso, tendemos a nos automedicar nessas situações. Porém, isso não deve ser feito com os pets, viu? Isso porque alguns medicamentos de uso recorrente para humanos, como analgésicos e antigripais e anti-inflatórios são extremamente tóxicos para os animais. E mesmo aqueles remédios que podem ser usados por eles possuem doses específicas. 

"É comum receitarmos alguns medicamentos de humanos, porém, sabemos que as dosagens são diferentes e que não são todos que podem ser administrados. Muitos tutores confundem e começam a medicar em casa seus pets e isso é altamente perigoso, podendo levar o animal a óbito", adverte Caroline. 

Prevenção e tratamento 

Antes de tudo, é preciso pensar em como prevenir a gripe em pets para evitar que o animal sofra com a doença e possa até ter complicações. Nesse sentido, a veterinária explica que os cuidados são similares aos humanos.

Ou seja, o recomendado é manter os animais abrigados e agasalhados. Assim, além de não deixá-los em uma área sem proteção contra o tempo, vale investir nas roupinhas em dias frios e em cobertas e cestos quentinhos. 

Ainda assim, se o bichinho for acometido pela gripe ou por outras doenças respiratórias, como pneumonia, bronquite, alergias, edema pulmonar, ruptura na traqueia e até lesões pulmonares, existe apenas uma alternativa de tratamento: ir ao veterinário. Afinal, somente um especialista em saúde animal poderá diagnosticar e tratar o caso corretamente. Nada de automedicação, hein?! 

Fonte: Caroline Mouco, veterinária e diretora do Hospital VET Popular.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.