Pernas grossas podem ser sinal de acúmulo de gordura

É preciso ter atenção aos sintomas para procurar um médico ao menor sinal de perigo!

Pernas grossas podem ser sinal de acúmulo de gordura: enteda
Por Iuri Santos - 12/09/2018

Pode ser que a sensação de inchaço não seja causada apenas pela retenção hídrica. FOTO: iStock/Getty Images

É comum que mulheres sintam inchaço em diversas partes do corpo: barriga, braços e pernas, por exemplo. Esse problema, geralmente, é causado pela retenção de líquidos. Porém, se os sintomas persistirem e estiverem acompanhados de dores ao toque, talvez não seja apenas isso. E as pernas grossas podem ser sinal de acúmulo de gordura, conhecido como lipedema. “Muito comum em mulheres, ele é uma característica pessoal relacionada ao acúmulo de tecido gorduroso que leva ao alargamento dos membros, principalmente pernas, podendo também atingir os braços”, explica a cirurgiã vascular e angiologista Aline Lamaita.

Pernas grossas podem ser sinal de acúmulo de gordura: dores na perna são comuns quando possui o problema

O acúmulo de gordura pode gerar dores e desconforto. FOTO: iStock/Getty Images

Quando pernas grossas podem ser sinal de acúmulo de gordura?

Ao contrário do linfedema – alteração no sistema linfático que leva ao acúmulo de líquidos no membro acometido –, os lipedemas são sempre simétricos e os sintomas incluem sensação dolorosa ao toque, aumento da frequência de hematomas espontâneos e maior tendência ao acúmulo de líquido. “Não é incomum que a portadora de lipedema estranhe ao se submeter a uma drenagem linfática ou massagem relaxante, já que a experiência, que deveria ser agradável, geralmente é acompanhada de dor e sensibilidade ao toque”, afirma a especialista.

Pernas grossas podem ser sinal de acúmulo de gordura e pode gerar desconfortos

Atividades prazerosas como massagens, por exemplo, podem se tornar desconfortáveis quando se possui lipedema. FOTO: iStock/Getty Images

Como reverter o problema?

Ter consciência de que pernas grossas podem ser sinal de acúmulo de gordura facilita a busca por um tratamento, já que, além de dor, o problema também pode causar desconforto estético. “O lipedema é uma característica constitucional que pode ser modificada com atividade física, alimentação adequada, drenagem linfática, medicação e, em alguns casos, meias de compressão. Além disso, é essencial o tratamento de outras patologias associadas, como varizes e pressão alta, para evitar complicações”, acrescenta Aline Lamaita.

Por ser uma característica individual, o lipedema não tem cura, mas pode ser controlado. Entretanto, seguir apenas as indicações anteriores por conta própria não é o indicado. “O mais importante é que você consulte um médico especializado. Apenas ele poderá diagnosticar o problema e indicar o melhor tratamento para cada caso”, finaliza Lamaita.

 

Texto: Redação Alto Astral | Consultoria:  Aline Lamaita, cirurgiã vascular e angiologista, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, do American College of Phlebology, e do American College of Lifestyle Medicine.

 

LEIA TAMBÉM: