Depilação íntima: quais são os perigos de retirar os pelos pubianos?

A ausência de pelos pubianos pode acarretar em inflamações e facilitar a contaminação de doenças sexualmente transmissíveis

Mulher enrolada em toalhas de banho, deitada em uma sauna . Perigos da depilação íntima
Por Eduarda Souza - 18/10/2018

(Foto: Reprodução/Pexels)

Os perigos da depilação íntima são poucos discutidos pelo público feminino, apesar da prática de remoção completa dos pelos pubianos ser cada vez mais comum entre as mulheres.

Os pelos servem como uma barreira de proteção para o organismo e a ausência desta defesa deixa a pele íntima mais exposta. Sendo assim, as bactérias têm acesso facilitado na região genital, o que aumenta a possibilidade de contaminações e infecções. O contato direto com absorventes e o tecido da calcinha também são agentes que auxiliam na multiplicação dos microrganismos.

Perigos da depilação íntima

Mulher se consultando com uma médica. Perigos da depilação íntima

(Foto: Reprodução/Getty Images)

Pelos encravados e inflamações

Mulheres com a pele mais sensível têm reações de alergia e foliculite (pelos encravados) frequentes após a depilação pubiana, principalmente se a ação for realizada com cera quente ou lâmina. A consequência varia de acordo com as características que a pessoa apresenta. É essencial procurar um dermatologista para acompanhar o quadro e recomendar o tratamento necessário.
No caso de ocorrência de lesão na região íntima, é importante se atentar na hora da relação sexual, pois o contato com outra pele danificada pode transmitir doenças sexualmente transmissíveis (DST) e desenvolver infecções.

Escurecimento da pele

Assim como qualquer ação que irrite a pele íntima, a depilação pode escurecer a região. Portanto, um método adequado deve ser pensado de acordo com o aspecto que o corpo apresenta. Se pele já esteja manchada, converse com um profissional e procure o tratamento apropriado para o caso.

A depilação ajuda na higiene íntima?

Não necessariamente. Se a limpeza da região não for realizada de forma completa, ela apresentará odores independente dos pelos pubianos ou da ausência deles. É necessário se certificar da eficácia da higienização do órgão.

Os pelos produzem um suor que auxilia no esfriamento da região íntima, o que também pode acarretar mau cheiro caso não haja limpeza adequada. Uma opção para evitar a produção de odores sem remover os pelos é mantê-los aparados, o que reduz o risco de concentração de transpiração e sebo. É recomendado que os pelos tenham 2cm de comprimento.

Outro fator para o qual não existe comprovação é a ligação entre depilação e o prazer sexual. Algumas pessoas acreditam que a remoção dos pelos aumentam as sensações na hora da relação, entretanto, a afirmação é subjetiva, pois a prática tem mais vinculação com a preferência da pessoa ou do casal.

SAIBA MAIS:

Texto: Eduarda Souza/Colaboradora