Como os padrões de beleza afetam a pessoa com deficiência

Por muito tempo os padrões de beleza impostos pela nossa sociedade me impediram de reconhecer o quanto eu poderia ser uma mulher bonita e atraente

Como os padrões de beleza afetam a pessoa com deficiência
Por Redação Alto Astral - 03/05/2017

FOTO: Arquivo Pessoal

Nem sempre é fácil ser mulher em nossa sociedade. Temos vários compromissos, incluindo família, trabalho e tantas outras coisas e, além de tudo isso, ainda nos sentimos pressionadas a nos enquadrarmos nos padrões de beleza impostos pela sociedade e também pela mídia.

No meu caso, a minha deficiência me impõe a depender da cadeira de rodas e me causou algumas deformidades no corpo, como coluna e membros, que me distanciam ainda mais dessa “ditadura da beleza”.

Fazer parte desse padrão da sociedade, para mim sempre foi algo impossível. Por muitos anos fiquei “presa” a esse pensamento, e não conseguia me sentir uma mulher bonita e atraente.

Até que percebi que a beleza está na essência de cada mulher, e não apenas no seu corpo ou em uma aparência impecável. Descobri que a beleza vai muito além de um estereótipo.

Descobri que eu tinha a minha beleza, como qualquer outra mulher, mas esse processo foi acontecendo ao longo do tempo, através, principalmente, da aceitação e da valorização.

Como os padrões de beleza afetam a pessoa com deficiência

FOTO: Arquivo Pessoal

Comecei a me sentir bonita primeiro, para que as outras pessoas pudessem ver o mesmo. Percebi que minha cadeira de rodas não era um empecilho, pelo contrário, era uma espécie de acessório, que nunca me impediu de expressar minha beleza!

A partir desse momento, minha autoestima só cresceu! Passei a me valorizar mais, a cuidar da minha aparência de forma natural e sem cobranças, e pude ser exemplo para várias mulheres, com ou sem deficiência, garantindo a elas que o primeiro passo é se aceitar, e que o mais importante é estar bem consigo mesma ou com seu próprio corpo.

Foi assim que descobri como era bonita, e que a minha beleza sempre esteve do meu lado, eu é que não tinha percebido. Hoje vejo o quanto o diferente é bonito e atraente!

LEIA TAMBÉM

Texto: Vânia Martins – Idealizadora do Canal no Youtube “Rampa de Acesso com Vânia Martins
Redes Sociais: Instagram @blogrampadeacesso e Facebook Blog Rampa de Acesso.