Você sabia? O orgasmo não é uma reação natural do corpo ao sexo

Transar é bom, ter orgasmo é melhor ainda. Mas o êxtase não deve ser encarado como o único objetivo da relação sexual. Entenda por quê

Por Thiago Koguchi - 07/02/2017
Casal se beijando de forma sensual

FOTO: Shutterstock Images

“Subir pelas paredes” ou “ver estrelas”. Você certamente já ouviu alguém dizendo isso quando teve um orgasmo. Mas, calma: esse é um dos muitos mitos que envolvem essa sensação que, para muitas pessoas, único objetivo da relação sexual.

Casal se beijando de forma sensual

FOTO: Shutterstock Images

Realmente, ele pode proporcionar sensações parecidas com essas. No entanto, é necessário entender que sexo não é sinônimo somente de orgasmo. Não por acaso, estima-se que apenas 30% das mulheres realmente gozem em uma relação sexual com penetração. Para entender o êxtase sexual, é necessário saber o que se passa pelo corpo nesse momento.

Orgasmo é coisa física

Para entender o orgasmo, é essencial saber o que acontece com o organismo para gerar ondas de prazer até atingir um clímax. “A sensação ocorre no cérebro, em dois pontos que ficam atrás dos olhos. E isso é igual tanto para os homens como para as mulheres”, explica o psicoterapeuta sexual Oswaldo Rodrigues Júnior.

A diferença é que, nos homens, o orgasmo é associado à ejaculação, enquanto nelas não há nada que seja expulso do genital para configurar o orgasmo fisicamente. “No entanto, ocorrem contrações musculares na entrada da vagina com os mesmos músculos que nos homens produzem a ejaculação”, ressalta o especialista.

Casal jovem, deitado, beijo, sexo, orgasmo

FOTO: Shutterstock Images

Por isso, pensar que o gozo é uma reação natural do organismo aos estímulos sexuais é um dos primeiros equívocos. “A sensação física associa-se às experiências sexuais passadas que tenham sido prazerosas. A percepção de prazer, portanto, é aprendida, e o orgasmo é desenvolvido dando significado sexual ao ato”, complementa o psicólogo. O que o especialista quer dizer é que o corpo “aprende” a ter prazer. Então, achar que o êxtase vai acontecer de qualquer modo, bastando para isso ter uma relação sexual, pode se tornar uma grande fonte de frustrações.

LEIA TAMBÉM

CONSULTORIA Oswaldo Rodrigues Júnior, psicoterapeuta sexual