Emagrecedoras: confira opções de farinhas para acrescentar na dieta

Saiba quais são as propriedades e os benefícios de várias opções de farinhas que irão melhorar sua saúde e te ajudar a emagrecer!

Vários recipientes brancos dcom opções de farinhas distribuídos do lado direito da foto, todas em uma mesa de madeira envelhecida branca.
Por Diana Diniz - 17/07/2019

Foto: baibaz/Shutterstock

As farinhas estão cada vez mais populares entre as pessoas que querem emagrecer ou que procuram ter uma vida mais saudável. Mas quais são os benefícios de consumi-las? Segundo a médica ortomolecular e nutróloga, Tamara Mazaracki, o uso das várias opções de farinhas de frutas, legumes e sementes, fornece muita fibra, o que ajuda no processo de emagrecimento de diversas formas: elas contêm pectina, uma fibra solúvel que forma um gel, ajudando a dar maior saciedade. Essa fibra reduz a absorção de carboidratos, evitando picos de insulina e quedas Saiba quais são as propriedades e benefícios de cada uma! bruscas da glicose no sangue, impedindo a vontade de beliscar entre as refeições. As farinhas também reduzem a absorção de gorduras, diminuindo as calorias armazenadas. A fibra solúvel estimula o funcionamento intestinal, ajudando a reduzir a barriguinha.

Conheça algumas opções de farinhas:

Maracujá

Foto: Lukas Gojda/shutterstock

 

Dentre as  opções de farinhas, há de maracujá que é rica em fibras e pobre em carboidratos, por isso é a mais indicada para controle da glicemia, sendo uma aliada para os diabéticos do tipo 1 e 2. “Quando feita da casca, é rica em pectina, uma fração de fibra solúvel que tem a capacidade de reter água formando géis que promovem a sensação de saciedade, ajudando no emagrecimento e melhorando o trânsito intestinal”, ensina Fernanda Granja, nutricionista.

 

Banana verde

Foto: ImYOUR/shutterstock

 

Essa farinha é uma rica fonte de potássio, fósforo, magnésio, cobre, manganês e zinco, sendo ótima alternativa para a saúde dos ossos, fertilidade e imunidade. Mas a principal propriedade da farinha de banana verde é o amido resistente. Ele impede a absorção do açúcar contido nos carboidratos, evitando picos de glicose no sangue e o aumento da produção de insulina – um hormônio que faz o organismo estocar gordura se for produzido em excesso. “As pesquisas mostram que esse amido estimula a proliferação de bactérias benéficas no intestino, melhorando o seu funcionamento, com consequente resposta na perda de peso”, acrescenta Fernanda. Estudos indicam ainda que o consumo de amido resistente também atua na redução do colesterol, e por isso, a banana verde pode também ter uma importante função na prevenção do desenvolvimento de doenças do coração

 

Berinjela

Foto: Sergey Fatin/shutterstock

 

Esse tipo de farinha contém fibra solúvel, que age na diminuição do colesterol e glicemia do sangue. “A farinha também protege as funções hepáticas aumentando a produção de bílis, fazendo com que, mais uma vez, o combate ao colesterol seja feito”, acrescenta Fernanda Granja. Além disso, ela é rica em antocianinas, que é o mesmo antioxidante presente no suco de uva e no vinho, combatendo radicais livres em excesso, protegendo os órgãos de doenças inflamatórias e combatendo o envelhecimento precoce. Essa farinha também contém minerais, como o potássio e magnésio, que ajudam o cálcio a se fixar nos ossos, combatendo câimbras e espasmos musculares, como cólica e enxaqueca.

 

Maçã

Foto: Evgeny Karandaev/shutterstock

 

É riquíssima em pectina, fibra solúvel que tem a capacidade de promover a sensação de saciedade, ajudando no controle do peso. “A pectina torna a absorção de glicose menos eficiente, fazendo com que o açúcar seja absorvido mais lentamente, evitando a transformação de açúcares em gorduras”, complementa a nutricionista. Além disso, essa fibra possui ação reguladora do trânsito intestinal, pois aumenta o volume do bolo fecal e retém mais água, fazendo com que o intestino funcione adequadamente.

 

Uva

Foto:mythja/shutterstock

 

Essa farinha é rica em antioxidantes e fontes de compostos fenólicos, como a luteonina, a quercetina, as procianidinas e o resveratrol. “As procianidinas e o resveratrol são agentes antioxidantes muito estudados nas doenças cardiovasculares, pois pesquisas mostram que eles agem diretamente na saúde do coração”, explica Fernanda. Nesse caso, essa farinha é indicada para quem quer ter os benefícios dos antioxidantes do vinho sem precisar tomá-lo todos os dias. É indicada também para quem precisa tomar cuidado extra com a visão, pois possui luteonina, um composto fenólico importante para a visão.

 

Feijão-branco

feijao branco como opções de farinhas

Foto: onair/shutterstock

 

Essa farinha fornece nutrientes, como cálcio, ferro, potássio, magnésio e outros minerais, vitaminas E e K, folato e fibras. “Além disso, possui uma proteína chamada faseolamina, que funciona como um bloqueador de carboidrato”, informa. Como possui vários nutrientes, cada um vai fazer o seu papel, auxiliando o organismo a funcionar adequadamente como um todo. Assim, apresenta uma alternativa segura para as dietas de emagrecimento, para diabéticos que precisam diminuir a quantidade de açúcar e para diminuição de triglicérides, favorecendo a saúde do coração.

 

Linhaça

linhaça como opções de farinhas

Foto: Halil ibrahim mescioglu/shutterstock

 

O processo de triturar a linhaça permite que o ômega 3 (presente dentro da semente) fique biodisponível, ou seja, é mais fácil para o corpo utilizar esta gordura com ação anti-inflamatória. “Muitos estudos têm correlacionado a inflamação celular com a dificuldade de perder peso”, acrescenta Tamara. O ômega 3 também interfere na ação da leptina, um hormônio que sinaliza a saciedade.

 

Coco

coco como opções de farinhas

Foto: Luis Echeverri Urrea/shutterstock

 

A mais rica em fibras, ultrapassando a de linhaça em três vezes, ajuda na saciedade, reduz o esvaziamento gástrico, melhora a função intestinal e regula o açúcar no sangue. “Ela tem baixo teor de gordura, pois é preparada a partir do bagaço do coco, após a retirada do leite da fruta” finaliza a nutróloga Tamara Mazaracki.

 

As farinhas podem ser polvilhadas no iogurte, no suco, na salada, na sopa e no preparo de pratos como panquecas, bolos e pães. A dose ideal são duas a três colheres (sopa) por dia.

Quais opções de farinhas você gostou? Conta pra gente nos comentários!

 

Texto: Redação Alto Astral | Consultoria: Tamara Mazaracki, médica ortomolecular e nutróloga; Fernanda Granja, nutricionista

LEIA TAMBÉM