Projeto abrirá casa de refúgio para LGBTs que não têm moradia

Muitas vezes, os LGBTs são obrigadas a lidar com o preconceito não só na rua, como dentro de casa com a própria família. Assim nasce o projeto Casa 1.

None
Foto: Divulgação

por Redação Alto Astral
Publicado em 22/11/2016 às 12:05
Atualizado às 14:32

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Em meio a um mundo discriminatório, eles se vêem perdidos. Muitas vezes, os LGBTs são obrigadas a lidar com o preconceito não só na rua, como dentro de casa com a própria família. E dessa situação, projetos lindos podem nascer. Confira:

Projeto Casa 1

Foto: Divulgação

Infelizmente, é comum que LGBTs sejam expulsos de suas casas e, pensando nisso, o jornalista paulistano Iran Giusti abriu as portas de seu apartamento para acolher a quem precisa. Foi desse gesto que nasceu a ideia da Casa 1.

“A ideia é sermos uma república de acolhimento. O tempo inicial de permanência é de três meses, mas vai depender das necessidades de cada pessoa. Não vamos ter uma estrutura rígida, a ideia é ver como podemos auxiliar cada pessoa que chegar”, diz Iran. No projeto, ele também conta com o trabalho voluntário das meninas da agência feminista Quatro e Um e do estudante de relações públicas Otávio Salles – que foi acolhido por Iran anteriormente.

Para que a Casa 1 seja aberta até fevereiro de 2017, Iran precisa da ajuda de todos. Eles abriram uma campanha de crowdfunding para arrecadar R$83.952 e falta pouco para conseguirem. A campanha se encerrará em 30 de novembro. Com essa verba, a Casa 1 poderá funcionar por 1 ano abrigando até 8 pessoas.

A proposta é que a Casa 1 também funcione como centro cultural, o que poderá gerar mais verba no futuro, com realização de diversos eventos.

Para doar, acesse o link da campanha.

LEIA MAIS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.