Pesquisa diz que dinheiro traz felicidade, sim

Pesquisa da FGV indica que dinheiro traz felicidade, sim, já que quanto maior o salário do brasileiro, maior seu nível de satisfação

None
Foto: Shutterstock

por Ariadne Mussato
Publicado em 06/09/2017 às 10:24
Atualizado às 14:36

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Afinal, dinheiro traz felicidade? Uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e divulgada com exclusividade pelo Estadão afirma que sim. Segundo os dados da Sondagem do Bem-Estar, o brasileiro que recebe maior salário tem maior pontuação no ranking de satisfação.

Foram entrevistados 2.594 moradores das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. A pesquisa contou com duas fases. Durante o mês de junho e agosto de 2016, aconteceu a primeira etapa na qual foram coletados alguns dados. Na segunda fase os pesquisadores foram a campo e ocorreu entre setembro e outubro do mesmo ano.

O ranking tem pontuação que varia de 0 a 10 e mede a felicidade do brasileiro de acordo com o salário que recebe. Os entrevistado com a renda mais baixa da pesquisa (R$1.200), obtiveram 7,58 pontos de média de felicidade. Enquanto aqueles que recebiam maior salário, mais de 10 mil reais mensais,  a pontuação subia para 8,22. Os brasileiros que ganha entre R$2.600 a R$5.250 tiveram a média de 7,94 pontos. Ou seja, quanto maior a renda, maior a posição no ranking.

Os dados apontaram, também, que há variação em relação a felicidade de acordo com o gênero e com a região que a pessoa está localizada. Se dinheiro traz felicidade, os homens, que recebem mais que as mulheres, obtiveram maior pontuação no ranking de satisfação. E os cariocas, com 7,91 pontos, estão abaixo dos paulistas com 7,96 pontos.

Se o brasileiro que recebe maior salário é mais feliz, consequentemente, aqueles que estão desempregados ou recebem muito pouco têm a vida impactada negativamente, segundo a pesquisa. Porém, apesar da desigualdade, os países Latino-Americanos possuem uma pontuação alta em relação aos outros países do mundo.

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.