Crianças consumistas: confira dicas para ensinar economia para elas

Não é só os adultos que estão suscetíveis a maus hábitos nas compras, as crianças também podem se tornar consumistas desenfreadas.

None
Foto: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 13/10/2017 às 17:49
Atualizado às 13:46

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Não são somente os adultos que gostam de comprar. Muitas vezes, espelhadas nas atitudes dos pais, as crianças podem desenvolver o consumismo desnecessário. Com a ajuda da psicóloga Andreia Calçada, Malu ensina como contornar essa situação.

Os primeiros sinais

É natural que as crianças queiram um brinquedo novo ou algo que seja moda entre os amigos da mesma idade, mas é importante diferenciar os sinais do consumismo precoce. “As crianças começam a pedir intensamente a compra de novos brinquedos e roupas e perdem o interesse por aquilo que possuem”, esclarece a psicóloga.

Dar exemplo

“Muitas vezes, somos modelos, pois compramos excessivamente. Devemos nos perguntar: de que forma estimulo o consumismo no meu filho? Sou consumista? Preciso de tudo que compro? Dou presentes para suprir minha ausência?”, ensina.

Birras e broncas

Além de dar exemplo, os pais precisam saber lidar com a birra que os filhos podem fazer quando contrariados. Educar conversando sobre seu comportamento é fundamental. “Não ceda à manipulação, não dê importância. Converse, antes, por exemplo, de ir ao shopping para que isso não aconteça. Se acontecer, o passeio deverá ser interrompido. O combinado não sai caro”, ensina Andreia.

Ser responsável

Uma das primeiras responsabilidades que as crianças costumam receber dos pais é a mesada. A intenção é transmitir a elas um pouco da vida adulta. O alerta fica para que o valor não seja um trampolim para alimentar o consumismo.

“Entre 8 a 10 anos, os pais podem dar mesada para o lanche escolar. Assim, eles aprendem a economizar, lidar com dinheiro e dar valor. O dinheiro é da criança e se gastar antes do tempo não haverá reposição. Caso seja importante delimitar o que ela não pode comprar, faça o acordo antes”, reforça a especialista.

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.