Entenda como Freud interpretava os sonhos

O estudo dos sonhos foi um dos campos de pesquisa de Freud sobre o inconsciente. Saiba como o pai da psicanálise buscava compreender os sonhos

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 24/01/2017 às 09:10
Atualizado às 14:55

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Os sonhos são geralmente fragmentados e desconexos, já que muitas imagens não fazem sentido com a realidade ou possuem até um aspecto fantástico. Para interpretá-los,o pai da psicanálise, o neurologista austríaco Sigmund Freud, acreditava que a associação livre era a melhor maneira de compreender o que se passa no inconsciente humano. Esse método, segundo Freud, permitia “afrouxar” a censura consciente e fazia com que fragmentos da parte inconsciente da mente aflorassem.

mulher sentada nuvem sonhos freud

FOTO: Shutterstock.com

“Associar livremente (se é que isso seja plenamente realizável em seus termos), implica em estabelecer um determinado tipo de discurso, ou seja, de fala. Essa fala seria uma ‘livre’ de diversos aspectos: de seleções de temas e de palavras, de escolha de termos e frases, etc.  É deixar o cliente expressar o que tem a dizer; é a tentativa de levar o cliente a se implicar naquilo que fala”, explica o psicólogo e professor André Gellis.

Nos sonhos, há dois tipos de conteúdos. O manifesto é tudo aquilo que aparece no sonho e se pode relatar dele, ou seja, toda e qualquer imagem que surja, mesmo que não faça sentido no primeiro momento. “Já o conteúdo latente é a suposição freudiana de que o material apresentado no sonho, no relato sobre ele e na associação livre a partir dele, possa advir em uma fala baseada de elementos do sonho que já operavam no sonhador, mas que existiam sob forma inconsciente”, completa André.

LEIA TAMBÉM

Texto: Thiago Koguchi – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Entrevista: Augusto Biason/Colaborador – Consultoria: André Gellis, psicólogo e professor assistente doutor do Departamento de Psicologia da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Bauru, São Paulo.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.