NOTÍCIAS

Entenda como Freud interpretava os sonhos

O estudo dos sonhos foi um dos campos de pesquisa de Freud sobre o inconsciente. Saiba como o pai da psicanálise buscava compreender os sonhos

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 24/01/2017 às 09:10
Atualizado às 14:55

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Os sonhos são geralmente fragmentados e desconexos, já que muitas imagens não fazem sentido com a realidade ou possuem até um aspecto fantástico. Para interpretá-los,o pai da psicanálise, o neurologista austríaco Sigmund Freud, acreditava que a associação livre era a melhor maneira de compreender o que se passa no inconsciente humano. Esse método, segundo Freud, permitia “afrouxar” a censura consciente e fazia com que fragmentos da parte inconsciente da mente aflorassem.

mulher sentada nuvem sonhos freud

FOTO: Shutterstock.com

“Associar livremente (se é que isso seja plenamente realizável em seus termos), implica em estabelecer um determinado tipo de discurso, ou seja, de fala. Essa fala seria uma ‘livre’ de diversos aspectos: de seleções de temas e de palavras, de escolha de termos e frases, etc.  É deixar o cliente expressar o que tem a dizer; é a tentativa de levar o cliente a se implicar naquilo que fala”, explica o psicólogo e professor André Gellis.

Nos sonhos, há dois tipos de conteúdos. O manifesto é tudo aquilo que aparece no sonho e se pode relatar dele, ou seja, toda e qualquer imagem que surja, mesmo que não faça sentido no primeiro momento. “Já o conteúdo latente é a suposição freudiana de que o material apresentado no sonho, no relato sobre ele e na associação livre a partir dele, possa advir em uma fala baseada de elementos do sonho que já operavam no sonhador, mas que existiam sob forma inconsciente”, completa André.

LEIA TAMBÉM

Texto: Thiago Koguchi – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Entrevista: Augusto Biason/Colaborador – Consultoria: André Gellis, psicólogo e professor assistente doutor do Departamento de Psicologia da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Bauru, São Paulo.