Bebê-milagre: Lourenço nasce quatro meses após morte cerebral da mãe

Lourenço estava com 17 semanas, quando Sandra sofreu um aneurisma hemorrágico e teve morte cerebral. O bebê passou mais quatro meses na barriga e sobreviveu

None

por Redação Alto Astral
Publicado em 25/07/2016 às 17:03
Atualizado às 14:30

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Sandra morava em um pequeno apartamento na periferia de Lisboa. Era querida pelos vizinhos e pelo pessoal do trabalho – um restaurante no qual ela era funcionária há um ano e meio. Quando ficou grávida, contou pra todo mundo. O patrão, Antonio Fonseca, disse que ela estava feliz da vida com o novo bebê.

Sandra já tinha um filho de seu primeiro casamento, um menino de 12 anos. Durante a primeira gravidez, ela sofreu com um câncer no rim e quase morreu. Essa situação fez com que uma nova gestação não fosse recomendada pelos médicos. Apesar do risco, Sandra garantiu à irmã que seus exames à época da segunda gestação mostravam que tudo corria bem.Um dia depois da conversa, em 20 de fevereiro, a portuguesa passou muito mal e foi socorrida por uma ambulância. No caminho para o hospital, sofreu duas paradas cardíacas.

Sandra e seu companheiro Miguel Pais do bebê Lourenço. FOTO: Reprodução/Facebook

Sandra e seu companheiro Miguel – pais do bebê Lourenço.  FOTO: Reprodução/Facebook

O caso era gravíssimo, um aneurisma hemorrágico. Os exames indicavam que mãe e filho estavam sofrendo e corriam sérios riscos de não sobreviver. Sandra foi então transferida para um hospital especializado em casos críticos e entrou direto no CTI. Mas, na mesma noite, a morte cerebral foi constatada. A surpresa dos médicos foi a (constatação) de que o bebê, de apenas 17 semanas, parecia recuperado e se agarrava à vida, apesar da morte da mãe.

Diante desse inusitado cenário, o hospital resolveu tomar para si a responsabilidade de garantir o desenvolvimento da criança. A missão era um caso novo e cheio de dúvidas: os médicos precisavam encontrar formas de substituir as necessidades do bebê que seriam supridas pelo cérebro da mãe, o qual já não funcionava mais. Para ter chances de sobreviver, os médicos precisavam que Lourenço (esse foi o nome escolhido por Sandra para o seu segundo filho) permanecesse dentro da barriga por pelo 7 semanas.

Os primeiros dias foram mais críticos, mas aos poucos o bebê começou a responder ao tratamento. No hospital, enfermeiras e médicos fizeram o possível para estimular a criança, dentro da barriga, como faria uma mãe. Eram massagens, carícias e músicas diárias para o pequeno Lourenço.

FOTO: Reprodução/Fantástico

FOTO: Reprodução/Fantástico

No dia 07/06, depois de quase 4 meses, foi feita a cesária pra Lourenço nascer. Ele pesava 2,350 kg. Um neném prematuro, mas pronto para vir ao mundo! Ele passou mais 29 dias na UTI e ganhou do pai mais um nome: Salvador!

Lourenço-Salvador

FOTO: Reprodução/The Mirror

SAIBA MAIS

Gravidez tardia: traz benefícios ou é arriscada?

Amamentação evita alergias no bebê? Descubra!

Mãe depois dos 40: veja os cuidados para ter uma gravidez tranquila

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.