Naiara Azevedo, escorpiana, abre o jogo sobre sucesso, preconceito e traição

Ela conquistou milhões de fãs com suas letras sobre amor e traição – todas baseadas em experiências próprias! Confira um bate-papo com Naiara Azevedo!

None
Foto: Divulgação/TV Record

por Redação Alto Astral
Publicado em 13/06/2017 às 08:36
Atualizado às 16:56

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

No mapa astral da Naiara Azevedo, Sol, Lua, Plutão e Mercúrio agem em ♏ Escorpião, acentuando o lado intenso, decidido e apaixonado com que ela administra seus assuntos pessoais e profissionais.

Ela conquistou milhões de fãs pelo Brasil com suas letras sobre amor, traição, mágoa e relacionamentos – todas baseadas em experiências próprias! Também venceu o preconceito de ser mulher no universo sertanejo e, hoje, Naiara está no topo das paradas! Confira o bate-papo com essa escorpiana autêntica sobre a carreira e um conselho dela sobre como dar a volta por cima nas decepções amorosas.

Como é para você ser uma das mulheres de maior sucesso no sertanejo?

“É um prazer imenso fazer parte desse movimento, poder receber o carinho das pessoas e ver o reconhecimento do meu trabalho. Eu desejo que o sertanejo tenha cada dia mais mulheres… Que venham mais músicas!”.

Você sofre algum preconceito?

“No passado recebi muitos olhares atravessados. As pessoas tinham aquela ideia da mulher no sertanejo: ‘ah, não vai dar certo, mulher não faz sucesso’, e ainda tinha o fato de eu ser gordinha. Mas hoje eu sinto muita energia positiva e respeito pelo meu trabalho, principalmente pelas pessoas do meio”.

Qual a sensação de ligar o rádio e escutar a sua música?

“Ah, é uma felicidade que não cabe dentro de mim! Me sinto privilegiada pelas pessoas pedirem a minha música”.

Dando a volta por cima!

Naiara é uma mulher guerreira e exemplo de como vencer o fantasma da traição. Sobre o assunto, ela revelou ao Uol: “Chifres me trouxeram músicas, e ser corna não é vergonha! Acontece com 90% das pessoas.Enquanto uns negam e fazem a linha ‘o que os olhos não veem, o coração não sente’, outros assumem. Faço parte do segundo grupo”, brincou.

LEIA MAIS:

Texto: Juliana Penteado/Colaboradora e Vitória Fernandes/João Bidu | Entrevista: Juliana Penteado/Colaboradora | Design: Gabriel Andrade/Colaborador

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.