MUNDO MÍSTICO

Inspire-se nas 7 dores de Nossa Senhora e fortaleça sua fé

Nossa Senhora é um exemplo de fé e perseverança para todos nós. Durante toda sua vida a experiência de dor a acompanhou. Inspire-se em sua fé e viva melhor.

None
Ilustração: Ricardo Avancini/Colaborador

por Redação Alto Astral
Publicado em 20/12/2016 às 12:17
Atualizado às 11:50

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Comemoramos o dia de Nossa Senhora das Dores em 15 de setembro. A celebração acontece um dia após festa da Exaltação da Santa Cruz, em 14 de setembro. A Cruz de Jesus, é uma das sete dores de Maria e é considerado uma das dores mais fortes da Santa. A cruz nos mostra a missão de Maria de ser a mãe de todos, pois a cruz e Maria estão unidos pelo laço fraternal que une uma mãe a seu filho.

sagrado coração Nossa Senhora

Ilustração: Ricardo Avancini/Colaborador

Confira as 7 dores de Nossa Senhora

1. A profecia de Simeão sobre Jesus (Lucas 2, 34-35)
2. A fuga da Sagrada Família para o Egito (Mateus 2, 13-21);
3. O desaparecimento do Menino Jesus durante três dias (Lucas 2, 41-51);
4. O encontro entre Maria e Jesus no caminho do Calvário (Lucas 23, 27-31);
5. Maria observando o sofrimento e morte de Jesus na Cruz (João 19, 25-27);
6. Maria recebe o corpo do filho tirado da Cruz (Mateus 27, 55-61);
7. Maria observa o corpo do filho a ser depositado no Santo Sepulcro (Lucas 23, 55-56).

As dores nos fazem enxergar como Maria nos auxilia e ajuda em nosso peregrinar de fé. É notável que durante toda a trajetória de Maria a experiência dolorosa andou ao seu lado. Desde sua juventude quando apresenta seu recém-nascido, Jesus, no templo, cumprindo com a Lei dos judeus, até o momento maior de maior sofrimento ao ver seu filho morto na Cruz.

Fica difícil olhar para a trajetória dolorosa de Nossa Senhora e querer que a nossa própria vida não tenha nada de dor e sofrimento.

Devemos nos influenciar e seguir o exemplo e ensinamento de Nossa Senhora, que manteve-se firme e com fé nos momentos mais dolorosos, até mesmo quando estava de pé junto a cruz em que seu filho estava pregado e sofrendo com o ódio de todos.

Por essas demonstrações e por jamais perder a fé, Maria é capaz de recebê-lo em seus braços, morto, e de sepultá-lo com a esperança de que o amor venceria a morte e nos traria a salvação, a reconciliação da humanidade com Deus.

É primordial sempre nos unirmos às dores de Nossa Senhora para aprendermos com a Santa a viver a importância da Cruz que todo fiel deve vivenciar e para sairmos vencedores nessa caminhada até o encontro com o Senhor no paraíso.

LEIA TAMBÉM

Crédito: Ir. João Antonio, estudante de filosofia em vistas ao sacerdócio

Edição: Thomás Garcia/Colaborador | Design: Camila Silva/Colaboradora