Incidência de mofo no verão pode trazer doenças respiratórias

O verão e os seus dias chuvosos geram umidade e consequentemente mofo ou bolor que podem surgir trazendo complicações para o sistema respiratório. Confira!

asma
Foto: iStock.com/Getty Images

O verão é o período de maior incidência de chuva, sendo assim a umidade da temporada é, no geral, benéfica para as vias respiratórias, porém é preciso ter cuidados extras para evitar a propagação de mofo, muito comum nessa temporada, que cresce em ambientes fechados e úmidos como armários e guarda-roupas.

parede com mofo

Foto: iStock.com/Getty Images

Estima-se que o Brasil tenha aproximadamente 20 milhões de pessoas com asma, segundo dados da SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia), doença que é a quarta causa de internação hospitalar no Brasil. A presença de mofo nos ambientes é um fator desencadeante da asma, uma doença crônica. Por isso, fique atento ao surgimento de mofo ou bolor.

O que fazer com o surgimento de mofo ou bolor

  • Mau cheiro e manchas escuras em paredes e móveis podem ser sinais da presença de bolor. Para evitar o crescimento de mofo durante o verão é importante caprichar na limpeza dos ambientes e móveis com produtos que eliminem os micro-organismos, como vinagre e água sanitária.
  • Além de evitar contato com alérgenos que possam causar as crises, é importante que as pessoas diagnosticadas com asma tenham um acompanhamento médico e tratamento medicamentoso adequado para manter a doença controlada.

 

asma

Foto: iStock.com/Getty Images

Como saber se a asma não está controlada?

É possível saber que a asma não está controlada caso a pessoa tenha sentido um dos itens listados abaixo pelo menos uma vez nas últimas quatro semanas:

  • Sintomas diurnos mais de duas vezes por semana;
  • Qualquer despertar noturno causado pela doença;
  • Uso de medicamentos para alívio da falta de ar mais de duas vezes por semana;
  • Se a asma estiver limitando as suas atividades cotidianas.

Caso você sinta qualquer sintoma acima, é fundamental a consulta com um especialista para entender melhor os seus sintomas.

Fonte: Grupo Boehringer Ingelheim

LEIA TAMBÉM