Memória: confira seus principais vilões

A memória é uma habilidade preciosa do cérebro humano. Por isso, é preciso ficar atento a alguns fatores que podem prejudicá-la

cérebro quebra-cabeça - memória
FOTO: Shutterstock Images

Para que a memória esteja sempre tinindo, é importante que tanto a estrutura quanto a saúde do cérebro estejam em dia. Alguns tipos de recordações podem ser perdidos dependendo em que áreas são arquivadas no cérebro. Se a área sofrer alguma alteração, as memórias poder ser esquecidas para sempre. Confira alguns vilões das suas lembranças:

Os vilões da memória

• Morte de uma parte do cérebro: doença, acidente, derrame e estresse excessivo são alguns motivos que podem levar uma parte do cérebro a morrer. Como consequência, as memórias também deixam de existir.

cérebro quebra-cabeça - memória

FOTO: Shutterstock Images

• Sono e álcool: fixar alguma coisa quando se está há muito tempo sem dormir ou alcoolizado tende a ser muito mais difícil, já que o cérebro não funciona da mesma forma.

• Pseudomemória: entendida como memória falsa, é quando a mente mescla o que é real com o que ela própria produz. Sabe aquela história “mas eu te disse isso” quando, na realidade, você só achou que tivesse dito aquilo? É como se fossem pequenas peças que o cérebro prega no indivíduo.

• Traumas emocionais: “Lembrar de algo muito ruim é como tocar num corte recém feito. Traumas emocionais são vivências dolorosas, que podem se desdobrar em efeitos nocivos para o dia a dia. Podem provocar lembranças intensas do acontecido, aumento súbito de estresse, dificuldade de concentração, dificuldade de distinção entre realidade e lembranças e até psicose”, explica o psicólogo e hipnoterapeuta Bayard Galvão.

O distúrbio de estresse pós-traumático é um outro exemplo que pode alterar a neuroquímica do cérebro, o que pode gerar problemas de memorização.

 

Saiba mais!

Memória: 5 livros e documentários para entender melhor

7 dicas para turbinar sua memória

Alzheimer não causa a perda de memórias

 

Texto e entrevistas: Natália Negretti – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultoria: Bayard Galvão, psicólogo e hipnoterapeuta