Mau-humor em adolescentes: como lidar com essa situação?

Entenda se sua filha está sofrendo de TPM ou apenas oscilação de humor típica da idade

adolescentes entediadas no sofá
Converse com sua filha para entender o que ela está sentindo | FOTO: Shutterstock

A maioria dos pais já teve que lidar com o mau-humor em adolescentes. Os jovens nessa fase, principalmente as meninas, vão do choro ao riso e do amor ao ódio em segundos! Tudo isso é típico da idade, afinal, os hormônios ainda estão instáveis. Porém, inconstância demais pode ser sinal de uma TPM brava. Saiba como ajudar sua filha nessa

TPM x mau-humor e adolescentes

“A principal causa da TPM está associada à produção de hormônios, que oscila ao longo do mês”, explica a  ginecologista Rosa Maria Neme. A queda dos níveis de estrógeno e progesterona altera o equilíbrio emocional da mulher, enquanto a diminuição da serotonina propicia o mau humor. Embora mais intensa na vida adulta, a TPM também afeta as adolescentes. Os sintomas mais comuns são cólica, irritabilidade, ansiedade e aumento do apetite para doces. Já o mau-humor em adolescentes geralmente está relacionada à instabilidade hormonal desta fase. Não há um critério para avaliar qual o limite do normal, porém, se o comportamento social da adolescente fica abalado ou as manifestações físicas são intensas, é melhor procurar um tratamento.

Olho de mãe

A dificuldade em saber se sua filha está sofrendo de TPM ou apenas dos altos e baixos da idade é que os sintomas são
bem parecidos. Por isso, é importante prestar atenção: na maioria das vezes, o alerta parte de outra pessoa, e não da
própria adolescente. “A dica para identificar se sua filha está passando por uma alteração emocional ou por uma TPM
é ficar atenta aos períodos em que isso acontece. Caso os sintomas se repitam pelo menos três vezes seguidas, sempre após a ovulação, tudo indica que ela está passando por uma TPM”, ajuda a especialista. As melhores maneiras para abrandar a tensão pré-mestrual é controlar a alimentação, praticar exercícios e, se for o caso, procurar orientação de um especialista.

 

LEIA TAMBÉM: