10 dúvidas sobre o uso da máscara durante a pandemia

Informações essenciais para o melhor aproveitamento e potencialização dos benefícios da peça

máscaras na pandemia
Foto: Shutterstock

Desde o surgimento e rápida propagação do coronavírus, o cenário mundial ganhou uma nova configuração, com hábitos diferentes para se viver em sociedade. Além da higienização das mãos com álcool em gel, o uso de máscaras na pandemia também se tornou uma medida habitual, por exemplo.

Atualmente, a peça é um dos grandes símbolos no combate a Covid-19, seja ela descartável ou de tecido. Com recomendações e orientações guiadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), diversos países, como o Brasil, colocaram as máscara como elemento obrigatório em lugares ou transportes públicos. E, aos poucos, também vem se estendendo a atividades isoladas.

Mesmo que o seu uso não seja 100% efetivo, ainda assim, o artigo ajuda – e muito – na proliferação do vírus. Com a boca e o nariz cobertos, os fluídos corporais das pessoas não entram em contato com outras ou objetos, limitando o espalhamento da doença. Isso vale tanto para pessoas que foram ou estão infectadas e aquelas que não possuem qualquer manifestação do problema.

Isso porque, segundo um recente estudo publicado pela Science, revista norte-americana, grupos assintomáticos (sem sintomas) com coronavírus são responsáveis por dois terços das infecções. Outro levantamento feito pelo jornal The Washington Post, enfatiza que se 100% das pessoas usarem máscaras, mesmo com a sua baixa efetividade, o índice de contágio pode chegar a zero, colocando um fim ao problema.

Tire suas dúvidas sobre a importância das máscaras na pandemia

1. Todos devemos usar máscara?

Sim. Já está em tramitação um projeto de lei (PL 1.562/2020) que dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção individual contra o coronavírus enquanto durar o estado de emergência sanitária no país. Além disso, vale lembrar que em diversos Estados a sua aplicação em espaços públicos vem sendo imposta. Com o maior número de pessoas assintomáticas, essa é uma medida de extrema importância. Uma outra pesquisa feita em Hong Kong, mostrou que o uso da peça pode ser efetiva em reduzir a transmissão do vírus em 64%.

2. Máscaras caseiras podem ser utilizadas?

Sim. O Ministério da Saúde liberou e incentivou o uso desse tipo de produção como forma de prevenção da Covid-19. Porém, vale ressaltar que, para ser realmente eficaz, a peça precisa ter duas camadas de tecido, ficar bem justa ao rosto, protegendo boca e nariz. Também é proibido o compartilhamento da máscara entre duas ou mais pessoas, assim como a sua troca após 2 horas de uso. Ao lavar, espere-a secar por completo e sempre tenha uma de reserva.

3. Como posso lavar a minha máscara de pano?

O método é bem simples e não foge de uma higienização tradicional de outras peças de roupa. Em entrevista à CNN, o infectologista Leonardo Weissmann, detalha que o procedimento “deve ser feito em uma solução com água sanitária em uma proporção de 10 ml (mais ou menos uma colher de sobremesa) para meio-litro de água. Deixando-a imersa por 10 a 20 minutos”. Feito isso, deixe-a secar e guarde-a em um saco plástico vedado.

4. Quantas vezes posso usar uma máscara descartável?

Embora tenha sido criado para um uso único, devido a grande procura no mercado e o cenário atual, o artigo pode ser reutilizado mais de uma vez, desde que esteja totalmente limpo e que não tenha entrado em contato com qualquer umidade. Por isso, ainda recomenda-se mais o investimento em peças de pano.

5. Máscaras de tecidos tem a mesma eficácia que as descartáveis?

Como já abordado, o uso das máscaras na pandemia é essencial para a diminuição da proliferação do vírus. Embora elas não tenham poder total sobre essa dispersão, colaboram para um controle maior, principalmente em locais públicos. Quando feitas da forma correta (com duas camadas de tecidos e justas ao rosto), a peça de pano pode colaborar. Mas para combatermos uma pandemia, precisamos pensar de forma coletiva. Ainda assim, a proteção individual é menor quando se comparada as máscara cirúrgica ou N95, utilizadas pelos profissionais de saúde.

6. Como manusear a máscara?

Saber como colocar e retirar a peça é essencial para que você não se contamine ou faça do seu uso algo obsoleto. Para vesti-la, manuseie por meio das cordas laterais ou parte que seja específica para prendê-la ao rosto. Não esqueça de ajustá-la bem, pois deve proteger a boca e o nariz. Para retirar, também utilize as cordas laterais. Crie o hábito de nunca encostar as mãos no rosto.

7. Quando devo utilizar a máscara?

O uso das máscaras na pandemia é de dever coletivo, mesmo que ainda não seja obrigatório em algumas regiões. Sempre que sair de casa, crie o hábito de já coloca-la. No transporte público, mercados, farmácias e hospitais também. Caso tenha a necessidade de fazer atividades físicas ao ar livre, opte por opções com filtro, para não causar qualquer mal-estar, desconforto ou tontura. No carro, se estiver sozinha, não é obrigatório. Mas, acompanhada, é melhor prevenir do que remediar, certo?

8. Com o uso das máscaras na pandemia, o distanciamento social pode ser flexibilizado?

Jamais. Uma medida completa a outra e não a exclue. Além do mais, você não sabe qual o cuidado a outra pessoa está tendo em relação ao vírus e a utilização da máscara.

9. Crianças e bebes devem usar?

Primeiro, é importante ressaltar que, se possível, todas devem ficar em casa, protegidas o máximo possível. O uso da máscara é recomendado apenas para crianças acima de 2 anos, como declarado pela Anvisa, e, apenas quando quando estas estiverem expostas. Idas ao médico, ao supermercado e outros locais com circulação de pessoas valem o uso do acessório. Lembrando que é importante conscientiza-las da sua importância e da forma como devem ser manuseadas. Para os bebes, vale o cuidado dos pais, que devem tocá-los após a lavagem completa das mãos, sem deixar que outras pessoas os beijem ou segurem.

10. A máscara pode causar alergia?

Em alguns casos, sim. Os quadros tendem a surgir principalmente em pessoas que já tem propensão, causando irritação e dermatite na pele, graças ao calor, umidade e acúmulo de oleosidade. Para que isso não ocorra, é importante sempre mantê-la hidratada, com uma rotina adequada de higienização e tônico calmante. Outra opção é utilizar a peça com material de algodão, pois gera menos desconforto.

Lembre-se: pensar no próximo e tomar as melhores medidas de precaução nos levará ao fim dessa pandemia. Colabore!

Leia também: