Homeopatia ou alopatia? Conheça as diferenças e benefícios de cada um

Conhece a homeopatia e a alopatia? Entenda as diferenças, vantagens e desvantagens de cada um dos métodos terapêuticos para cuidar da saúde

Pílulas, medicamento, homeopatia, frasco
Foto Shutterstock.com

Quando os filhos adoecem, além de preocupados, os pais também ficam com muitas dúvidas. Qual o melhor tratamento? Como a doença poderia ter sido evitada? O remédio que estou dando para a criança realmente faz efeito? As respostas para essas perguntas, muitas vezes, geram ainda mais dúvidas. Entre elas está a questão sobre o melhor método de tratamento: alopatia ou homeopatia? Essa é uma decisão que realmente precisa ser muito bem pensada, pois são dois caminhos muito diferentes, sobre os quais pairam mais perguntas do que respostas. Entenda as vantagens e desvantagens que cada um oferece.

homeopatia-fitoterapia-ansiedade-saude-remedios

Foto: Shutterstock

O que fazer?

Talvez o melhor fosse perguntar: o que não fazer? O mais importante é não medicar seus filhos sem consultar um médico de confiança, seja ele homeopata ou alopata. O ideal seria que a alopatia adotasse a prática de consultas mais completas e uma visão global do indivíduo, enquanto a homeopatia comprovasse de um modo mais científico a eficácia de seus medicamentos. Não é por acaso que já se fala em “medicina integrativa”.  Enquanto nem uma coisa nem outra acontece, o mais importante é que os pais observem com atenção os resultados do tratamento pelo qual optaram e ajam preventivamente em relação à saúde das crianças, adotando hábitos saudáveis.

Diferenças básicas

Princípios:

Alopatia – É a chamada medicina tradicional (ou biomedicina), que procura tratar diretamente os sintomas, administrando aos pacientes remédios como anti-inflamatórios, antibióticos, analgésicos, etc. Ou seja, a cura é realizada pelo chamado princípio dos efeitos contrários (se o sintoma é uma diarreia, prescreve-se um remédio constipador de intestino, por exemplo).

Homeopatia – Não trata diretamente os sintomas e sim propõe cuidar da pessoa como um todo. Um de seus lemas é: “não existem doenças e sim pessoas doentes”. Para isso, busca a solução no princípio da semelhança, segundo o qual o mesmo causador da doença pode curá-la. Assim, os remédios são feitos através da diluição desses agentes e ministrados em pequenas doses, estimulando uma reação do organismo.

Mulher, paciente, homem, mÈdico, consulta, clÌnica, remÈdios

Foto: Shutterstock

Remédios:

Alopatia – Podem causar efeitos colaterais severos quando usados em doses excessivas. A eficácia dos medicamentos é testada em laboratórios e pode ser reproduzida isoladamente em indivíduos diferentes. Alguns remédios têm custo bastante alto.

Homeopatia – No início do tratamento pode ocorrer um agravamento dos sintomas, mas não causam outros efeitos tóxicos. Possuem eficácia a longo prazo e podem não funcionar bem em infecções mais graves. É impossível a reprodução isolada dos efeitos. Em geral, o preço é bem mais acessível.

Consulta:

Alopatia – Os médicos analisam os sintomas da doença e, a partir desse diagnóstico, receitam remédios que possam combatê-la. Mas é bom lembrar que muitos alopatas procuram avaliar a saúde global de seus pacientes e não apenas os sintomas isolados. Essa avaliação costuma ser feita por exames de sangue, urina, fezes e outros.

Homeopatia – Os médicos avaliam o paciente como um todo, em sessões que podem durar mais de uma hora. Isso acontece porque um dos princípios da homeopatia é que cada ser humano tem características físicas e emocionais próprias, portanto, nem sempre o mesmo remédio funcionará para todos os pacientes. O lado emocional é considerado tão importante quanto o clínico.

Texto: David Cintra/Colaborador
Fontes: Revista Pediatria São Paulo – USP (www.pediatriasaopaulo.usp.br), Associação Médica Homeopática Brasileira (www.amhb.org.br) e Conselho Federal de Medicina (portal.cfm.org.br)

Leia também: