Homens e mulheres pensam diferente sobre sexo e qualidade de vida

Estudo publicado em 2016 pela USP revelou dados peculiares e interessantes sobre o comportamento dos brasileiros na cama. Confira!

Por Natalia Negretti - 23/11/2016
qualidade

Foto: iStock.com/Getty Images

Um dado interessante revelado pela pesquisa Mosaico 2.0, conduzida pela psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Projeto Sexualidade (ProSex) do Instituto da Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), publicado este ano, é a diferença de prioridades quando o assunto é sexo e qualidade de vida.

Qualidade no sexo

Para as mulheres, a qualidade do sono vem em primeiro lugar, enquanto que, para os homens, ter uma boa vida sexual é quase tão importante quanto comer. “Os homens aprenderam a usar a atividade sexual para relaxarem-se das tensões cotidianas, das ansiedades advindas do trabalho. As mulheres, ao se preocuparem mais com as funções sexuais em prol da fertilidade, atentam para os outros fatores cotidianos para depois se dedicarem ao sexo”, explica o psicoterapeuta de casais Oswaldo M. Rodrigues Jr.. A educadora sexual Lelah Monteiro traz outro ponto de vista: “para a mulher, sua cama habitual é um lugar de descanso. Para ela, o sexo tem que ter algo de diferente, de cortejo, especial. Para a maioria dos homens, sexo significa que terá relaxamento em seguida, então, associam cama com prazer seguido de descanso”.

qualidade

Foto: iStock.com/Getty Images

Hora de descansar

É fato que as horas bem dormidas são fundamentais para o bom funcionamento do cérebro e do restante do organismo, além de repor as energias. “O corpo, para ter uma boa resposta sexual, precisa estar descansado. Se o homem também não tiver um descanso, não vai ter uma boa resposta sexual. Mas eles ficam preocupados, se sentem na obrigação de cumprir um papel. Já a mulher, não. É, mais uma vez, uma questão cultural”, lembra a sensual coach Fátima Moura.

 

LEIA TAMBÉM

 

Consultoria:  Fátima Moura, sensual coach; Lelah Monteiro, educadora sexual e psicanalista; Oswaldo M. Rodrigues Jr., psicoterapeuta de casais e sexual do Instituto Paulista de Sexualidade – Clínica de psicologia em sexualidade.