O hábito da leitura deve começar desde bebê, pois ajuda no vocabulário e amplia horizontes!

Estimular o hábito da leitura nas crianças desde a fase em que são bebês faz com que elas se desenvolvam melhor e ajuda na interpretação de texto

pai e mãe lendo para os filhos para estimular o hábito da leitura
Foto: Shutterstock.com

Jogos de computador, brinquedos eletrônicos, programas interativos de televisão… Esses são alguns dos passatempos modernos que competem com os livros pela atenção das crianças e, na maioria das vezes, acabam ganhando. Quer saber como criar o hábito da leitura nos pequenos? Veja as dicas da especialista consultada por Malu.

Despertando o hábito da leitura

• A leitura é fundamental na formulação da linguagem que, por sua vez, é indispensável na comunicação e interação com as pessoas.

• Quanto mais uma pessoa lê, mais amplos ficam seu vocabulário e conhecimento. E isso deve ser estimulado desde a infância.

• “A criança que lê amplia sua visão de mundo, desenvolve seu pensamento sobre diversos assuntos e sobre si própria, aprende a interpretar, relacionar e criar sentidos”, analisa Sônia Travassos, especialista em literatura infantil e juvenil e escritora de livros para crianças.

Sensações

• Segundo especialistas, o feto consegue ouvir e sentir dentro da barriga da mãe. Por isso, essa já é uma ótima fase para despertar nos filhos o interesse pela literatura.

• “Conversar com o bebê, cantar, recitar versos… Isso pode trazer benefícios para ele, pois são momentos nos quais o afeto é expressado pelo som e pelo ritmo das palavras na voz”, explica Sônia.

• Assim, observa-se que a leitura causa sensações importantes para o desenvolvimento da criança.

• “Não é preciso que ela alcance um determinado entendimento sobre a história, mas que ela tenha a oportunidade de criar sentidos para aquilo que apreende”, afirma.

• Quando o pequeno ainda não é alfabetizado, outros pontos devem ser explorados, como a ligação e o carinho entre pai e filho. Muitas vezes, ele quer ouvir a história não só pelo que está sendo contado, mas pela chance de ficar com a mãe ou o pai por um tempo maior.

• Além disso, quando se lê para uma criança bem pequena, permite-se que ela reconheça os gestos da leitura, como virar as páginas, acompanhar o texto, etc.

Toda hora é hora

• Você pode incluir o contato com os livros no dia a dia do seu filho. Pra começar, se ele for bebê, uma ótima opção é o livro de banho: aquele feito de plástico, que pode molhar à vontade.

• Também existem outros tipos de livros-brinquedo que podem ser inseridos nos momentos de recreação: de pano, que emitem sons, para colorir e desenhar…

• “O importante é que a criança reconheça esse objeto entre seus brinquedos, para que possa manuseá-lo ou ‘fingir’ que está lendo, imitando os adultos”, pontua.

• E não se esqueça das histórias contadas na hora de dormir. Este é um momento em que pais e filhos podem descobrir novos fatos juntos e compartilhar sentimentos provocados pela história, o que estimula a vontade e o prazer de ler sempre.

• “A melhor forma de fazer isso é ler com entrega, gostando daquilo que está fazendo e mergulhando junto com a criança no universo da história lida”, finaliza.

Estimule!

Bom exemplo: se os pais têm o hábito da leitura, as crianças podem perceber a importância da leitura para eles. A partir daí, surge a vontade de se aproximarem mais dos livros.

Passeios culturais: leve seu filhos para visitar bibliotecas, livrarias e eventos literários. Nesses espaços, eles podem conhecer coisas novas e entender que a leitura faz parte da sociedade.

Respeite o tempo: algumas crianças não se identificam tanto com a leitura, mas isso não é motivo para desespero: pode ser apenas uma fase. É preciso identificar o gosto de cada um, oferecer livros que lhe interessem e respeitar o seu tempo.

Texto: Giovana Sanches | Consultoria: Sônia Travassos, especialista em literatura infantil e juvenil e escritora de livros para crianças

LEIA TAMBÉM