Golpe em idosos: saiba como se proteger!

Aposentados e pensionistas são alvo fácil para golpistas. Saiba como proteger os idosos e evitar que eles caiam nessa emboscada!

Por Daniela Andrioli - 10/10/2016
idoso preocupado com a mão no queixo

FOTO: Shutterstock

Idosos são os alvos preferidos dos golpistas, que se aproveitam de diversas situações para conseguir dinheiro fácil. Confira as orientações do advogado Evaldo Oliveira para você ou alguém da sua família não ser mais uma vítima.

Alvo principal: idosos

Na maioria das vezes, os golpistas se aproveitam da ingenuidade e perda da capacidade cognitiva de pessoas mais velhas para tirar dinheiro delas. O especialista aponta um outro perfil de vítitma: “pensionistas recebem benefício previdenciário que foram de outros, geralmente marido ou esposa. Muitos beneficiários não têm o exato conhecimento das situações jurídicas que envolveram os seus entes queridos falecidos, facilitando os golpes”.

idoso preocupado com a mão no queixo

FOTO: Shutterstock

Como agem

Pessoalmente

Os golpistas ficam ao redor das agências de atendimento do INSS, abordando beneficiários que foram buscar uma revisão do benefício, convencendo-os a lhes acompanhar a um local onde o problema será resolvido. Após uma breve e falsa consulta via internet, eles afirmam que existe um crédito reconhecido pelo INSS, sempre valores altos (acima de R$ 60 mil). É pedido, então, cerca de 10% da quantia para que a liberação do dinheiro seja feita em até 90 dias. Os golpistas somem com o dinheiro das vítimas.

Por carta

São enviadas correspondências com o emblema dos Tribunais de Justiça para a vítima crer que se trata de uma decisão judicial. Nas cartas, constam números de telefones que os golpistas atendem, confirmando as informações. A partir daí, convencem a vítima a depositar uma quantia entre R$ 6 mil e R$ 7 mil para custos processuais e outras despesas. Pedem que a vítima informe o número da conta corrente onde o dinheiro deverá ser depositado. Pensando em receber a quantia maior, as vítimas efetuam o pagamento. Além de perder o dinheiro pago, corre-se o risco de ter sua conta bancária invadida por hackers (criminosos especializados em golpes por computador).

Por telefone

É a mais recente modalidade, quando pessoas se passam por integrantes do Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS) que procuram pelo aposentado ou pensionista com seus dados pessoais. A partir daí, afirmam que existe um crédito residual já reconhecido pelo INSS em seu favor, sempre em valores acima de R$ 60 mil. Se a pessoa procurada já faleceu, eles falam com um familiar próximo, informam que o dinheiro estará disponível em 3 ou 4 anos e se colocam à disposição para conseguir a liberação do dinheiro mediante o pagamento de uma taxa de intermediação, em torno de R$ 6 mil e R$ 7 mil.

TEXTO: Jaqueline Galdino

LEIA MAIS: