Fome oculta: o desejo de comer pode ser sinal de má alimentação!

Por trás da fome pode estar não só uma necessidade do corpo, mas também um problema: carência nutricional. Entenda mais sobre essa fome oculta!

mulher comendo doce no meio da noite
Foto Istock.com/Getty images

Hábitos alimentares inadequados, como refeições mal mastigadas, comida industrializada e dietas restritivas são os responsáveis pela fome oculta. “Ela dificulta o bom funcionamento das células, prejudicando o equilíbrio do organismo e causando a carência de nutrientes”, afirma a endocrinologista Paula Del Faveri Sacuma. O corpo envia estímulos ao cérebro avisando essa falta. Nem sempre esse estímulo é identificado como falta de nutriente. A percepção é a de estar com fome. Então, a pessoa come algo, porém, nem sempre o nutriente necessário está nesse alimento. Insatisfeito, o corpo envia um estímulo ao cérebro, que será interpretado como fome.

 

mulher comendo

Foto Istock.com/Getty images

 

Consequências e prevenção

Essa fome oculta pode causar deficiência imunológica, com gripes e resfriados frequentes, osteoporose, problemas cardiovasculares, diabetes, depressão e hipertensão. Ainda pode provocar cansaço, irritabilidade, desânimo, mau humor, queda e enfraquecimento de cabelos, unhas quebradiças. Para prevenir, a médica indica uma dieta equilibrada, com cardápio variado, incluindo carnes, legumes, verduras, frutas e cereais integrais.

 

mulher comendo doce no meio da noite

Foto Istock.com/Getty images

 

Vontades do corpo…

Pães, pizzas e batatas fritas: o desejo por estes alimentos pode ser deficiência de triptofano, um aminoácido precursor da serotonina, que tem o importante papel no sistema nervoso, com diversas funções, como a liberação do hormônio do apetite, do humor e da atividade motora.

Carne: a vontade de comer esse  alimento representa a deficiência de ferro e proteínas. Sem eles, há uma diminuição da imunidade e um aumento do cansaço.

Chocolate e doces: no período pré-menstrual há uma diminuição do magnésio e da serotonina, o que faz com que aumente a vontade pelos doces, assim como a ausência de cromo (relacionado ao metabolismo da glicose, do colesterol e de ácidos graxos).

 

Leia também:

 

Consultoria Paula Del Faveri Sacuma, endocrinologista