Fibras e emagrecimento: entenda qual é a relação entre os dois!

As fibras são excelentes aliadas de quem busca perder os quilinhos extras. Confira de que forma ela pode ajudar você afinar a cintura!

variedade de alimentos com fibras
Foto: iStock.com/Getty Images

Por mais alarde que se faça por aí, emagrecer não tem segredo: você deve queimar mais e ingerir menos calorias. Diante do fato de que dietas restritivas são as piores inimigas da boa forma, não tem como escapar de um cardápio diário equilibrado e rico em alimentos saudáveis. Até aí, nenhuma novidade. O que talvez você não saiba é que as fibras têm papel decisivo no processo de emagrecimento e manutenção de peso. Confira:

 

variedade de alimentos com fibras

Foto: iStock.com/Getty Images

FIBRAS EM AÇÃO

Formadas de carboidratos complexos, as fibras têm como principal característica o fato de não serem completamente digeridas pelo organismo. Enquanto estão no estômago, as do tipo solúvel agem como uma esponja e fazem com que o corpo assimile menos o açúcar e a gordura dos alimentos.

Além disso, garantem a saciedade mesmo que você esteja comendo menos do que o habitual. Consumindo alimentos refinados ao invés de integrais, você dá ao seu corpo a ordem de estocar gordura. “Tudo que é rico em açúcar ou carboidrato simples, como batata frita, refrigerante e doces em geral, gera o pico de insulina. Isso faz com que a glicose do corpo baixe, estimulando um novo surto de fome”, explica a médica ortomolecular e nutróloga Tamara Mazaracki.

DE OLHO NA DOSE

Mesmo sabendo de todos esses benefícios, não pense que comer doses elevadas de fibras de cinco em cinco minutos já é garantia de silhueta enxuta. Até porque, infelizmente, nenhum alimento sozinho tem poder emagrecedor ou garante todos os nutrientes necessários para uma boa saúde.

As fibras ajudam, mas precisam ser acompanhadas de dieta balanceada e, de preferência, exercícios físicos. Isso sem contar que, quando ingeridas em excesso, trazem prejuízos à saúde. Os principais deles são dilatação do estômago, cólicas, gases e assimilação inadequada de cálcio e das vitaminas A, D, E e K.

 

Leia também:

Consultoria: Tamara Mazaracki, médica ortomolecular e nutróloga