Férias de inverno: roteiro de 5 dias para curtir o Chile

Neve, diversão e paisagens incríveis garantem momentos inesquecíveis para quem escolhe Santiago, capital do Chile, e seus arredores para passar as férias

Por Vinicius Galico - 31/10/2017
Turistas se divertem durante a alta temporada, que vai de junho a outubro

Divulgação/Valle Nevado Ski Resort Hotel

Santiago é um dos destinos favoritos dos brasileiros. A capital chilena atrai anualmente milhares de turistas que procuram por diversão, boa gastronomia e uma vida cultural agitada. Preparamos um roteiro de cinco dias pelo Chile, passando por Valle Nevado, Santiago, Valparaíso, Viña Del Mar e o circuito de vinhos. O planejamento de suas férias começa agora! Embarque aí!

Cordilheira dos Andes, no Chile

FOTO: Shutterstock

Raio-X do Chile

✓  Idioma: espanhol

✓ Moeda: peso chileno

✓ Documentos: o passaporte é o mais indicado, porém a carteira de identidade (com menos de 10 anos) também é aceita no Chile.

Visto: só é necessário caso o visitante queira permanecer por mais de 90 dias.

Vacinas: não são necessárias.

Fuso horário: 1 hora a menos que o horário de Brasília.

✓ Como chegar: a maneira mais rápida e simples de se chegar ao Chile é entrando por Santiago, de avião. Existem vôos diretos partindo de São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador. O destino final é sempre o aeroporto internacional de Santiago, distante cerca de 20 km do centro da capital. De lá é possível pegar uma conexão para outras partes do país ou até mesmo alugar carros ou contratar passeios.

Para os mais aventureiros, há a possibilidade de fazer o trajeto Brasil-Santiago de ônibus, porém o percurso é longo e cansativo. Do Rio de Janeiro a Santiago, por exemplo, são 60 horas de viagem. Já quem está em países vizinhos, como Peru, Argentina e Bolívia, também é possível optar por conexões rodoviárias com destino ao país andino.

A terceira opção é entrar no Chile de carro. Para isso, o viajante que sai do Rio de Janeiro ou São Paulo deve seguir pela BR 116 até Curitiba e de lá pela BR 101 até Porto Alegre. Na sequência, para chegar até a fronteira com a Argentina, pegue a BR-290. Em território argentino, o viajante deve circular por cerca de 1.400 km, passando por Mendoza, até chegar à divisa. De lá até Santiago são cerca de 340 km. Para quem tem tempo disponível e gosta de viajar fazendo paradas e curtindo cada cantinho esta pode ser uma ótima opção.

Centro de Santiago, no Chile, com a Cordilheira dos Andes ao fundo

Foto: Shutterstock Images

Dicas importantes

Moeda: no Chile a moeda oficial é o peso chileno. O viajante tem a opção de levar dinheiro em reais ou dólares e trocar por pesos lá. Os dois são bem aceitos em todo o território. Porém, levar dólar é a maneira mais prática, já que na troca é possível ganhar alguns centavos, visto que a moeda americana é mais valorizada.

Câmbio: fique muito atento no momento de realizar o câmbio. Não aceite notas de dólar rasgadas ou com manchas, pois ninguém aceita dinheiro americano nessas condições no Chile.

Vá preparado: apesar de a moeda chilena ser bastante desvalorizada em relação ao real, as coisas no Chile (especialmente comidas e passeios) costumam ser bastante caras.

 

Confira o roteiro aqui!

E mais: