Fernanda Gentil se defende após declarações polêmicas sobre racismo e homofobia

Jornalista Fernanda Gentil deu entrevista reveladora para Mônica Bergamo e causou revolta na web. A apresentadora usou as redes sociais para se explicar.

None
Foto: Reprodução/Facebook Fernanda Gentil

por Mayara Rozario
Publicado em 28/10/2019 às 13:27
Atualizado às 13:31

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Polêmicas e mais polêmicas! Neste domingo, dia 27, as redes sociais pegaram fogo após a divulgação de uma entrevista da jornalista Fernanda Gentil à coluna de Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo. As declarações feitas pela apresentadora do programa “Se Joga“, da TV Globo, sobre racismo e homofobia deixaram a web furiosa pela relativização de atos criminosos. Na entrevista, Gentil expôs “respeitar quem acha que beijo gay não deveria existir, e quem infelizmente, é racista”.

Respeito quem acha um crime ter o beijo gay. Agora, não vai bater em quem beija, entende? [Respeito] Quem, infelizmente, é racista. Agora, vai discriminar, bater, matar por que é de outra cor? Aí não“, expôs a jornalista Fernanda Gentil, que disse não se sentir confortável em impor um certo tipo de pensamento para as pessoas.

No texto de Mônica, Fernanda continuou discorrendo sobre o tema. “Acho uma perda de tempo você julgar alguém pela cor da pele. Isso te consome. Você poderia voltar esse ódio, essa energia para uma coisa tão boa. Vai ajudar alguém, vai criar uma criança, ensinar alguma coisa a alguém, sei lá”.  Gentil também declarou “não vestir o filho de rosa para querer parecer modernosa”.

Posicionamento da jornalista Fernanda Gentil após repercussão 

Não demorou muito tempo para que as frases de Fernanda repercutissem, se tornando um dos assuntos mais comentados do Twitter. Muitas pessoas decretaram o “cancelamento” da jornalista na internet, alegando que ela não respeitava a comunidade LGBTQ, a qual pertence, e que não deveria tratar um assunto tão sério como racismo de forma tão superficial e distorcida.

Diante da enxurrada de menções, a apresentadora resolveu quebrar o silêncio e utilizou o seu perfil no Instagram para comentar sobre a repercussão de suas falas. Segundo ela, “duas horas de conversa não cabem em uma página, e muitas falas ficam desconexas quando ligadas com algo que não foi o que você quis passar”.

Uma infinidade de opiniões diferentes dentro de um mesmo assunto que gera debate, como qualquer outro assunto nessa vida. E são essas opiniões que eu respeito! Não existe respeitar a homofobia. O racismo. A gordofobia. E nenhuma outra fobia. Esses “irmos” e “fobias” pra mim, são, antes de mais nada aversão à gente”.

A jornalista Fernanda Gentil ainda completou dizendo: “talvez eu levante menos bandeira do que uns gostariam, e muito mais do bandeira do que uns gostariam, e muito mais do que outros imaginariam. Respeito. Mas o importante, pra mim, é não abaixar a bandeira – isso seria, por exemplo, viver escondia, o que nunca passou pela minha cabeça. Porque só se esconde o que é errado. E aqui, modéstia à parte, tem muito esforço pra não errar sobre questões primordiais. Erro sim sendo orgulhosa, teimosa, ciumenta (apenas ligada nas paradas), às vezes exagero também na broca e na briga em casa. Mas não erro recriminando, mentindo, agredindo e muito menos ofendendo ninguém por nenhuma questão”.

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.