Cléo Pires tem crise de ansiedade; O que fazer nesses casos?

Cléo Pires teve uma crise de ansiedade que a impediu de embarcar no avião. No Brasil, cerca de 12% da população também sofre com isso, entenda o caso:

None
Fonte: João Miguel Júnior/ GShow

por Redação Alto Astral
Publicado em 05/10/2016 às 10:38
Atualizado às 00:12

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Cléo Pires, atualmente no ar em Haja Coração e Supermax, teve uma crise de ansiedade e foi impedida de embarcar em um vôo na quarta-feira (26.09), quando estava em Miami e voltava para as gravações da novela.

A crise aconteceu quando a atriz embarcava do avião em direção ao Rio, ainda nos Estados Unidos. Ela foi atendida e medicada.

De volta ao Rj e direto pra externa! ??⚡️??/ Back to Rio and straight to shooting

A photo posted by Cleo Pires. Atriz/Actress (@cleopires_oficial) on

No Brasil, cerca de 12% da população sofre com crises de ansiedade. Entenda mais sobre o assunto:

O que é ansiedade?

Mulheres abaixo de 35 anos são mais propensas a transtornos de ansiedade, diz estudo

Foto: iStock

A ansiedade pode ser considerada um sentimento de quem vive no futuro, ou seja, de quem rege a vida sempre pensando no que ainda vai acontecer. “Esse é um fenômeno de ordem psico-orgânica, que explode sempre que o sujeito sofre antecipadamente diante de uma eventual situação de perigo, estresse ou desconforto que ele supõe que vai enfrentar”, explica o psicólogo Fabrício Maurício.

É doença?

menino ansiedade

FOTO: Shutterstock

A princípio, a ansiedade não deve ser tratada como uma doença. “Existe a boa dose de ansiedade que todos precisam para sair da inércia nos momentos de estabilidade da vida. Nesse caso, é a medida necessária para colocar o sujeito em alerta”, acrescenta o profissional.

Porém, a partir do momento que começa a atrapalhar as tarefas dia a dia, deve ser analisada com mais cautela. Isto é, quando a pessoa deixa de fazer determinadas atividades porque tem uma preocupação obsessiva com algo, é um sinal de que a ansiedade precisa ser tratada. Vale ressaltar que apenas um profissional treinado pode diagnosticar a doença.

Como tratar?

Mulheres abaixo de 35 anos são mais propensas a transtornos de ansiedade, diz estudo

Ao perceber que sofre com crises de ansiedade, o indivíduo pode buscar formas de amenizar os sintomas e, com isso, controlar esse sentimento. “Se o sujeito alcançou um estágio em que sozinho não consegue mais avançar é importante começar o tratamento com terapia”, indica Fabrício.

Entretanto, caso a ansiedade já esteja bastante avançada – impedindo que a pessoa faça coisas simples ao longo do dia, por exemplo – também é possível encontrar ajuda em medicamentos, mas sempre com a instrução de um profissional que possa receitar o melhor remédio para o consumo do paciente.

Mal do século?

celular ansiedade

FOTO: Shuttesrtock

Antigamente, nossos ancestrais demonstravam ansiedade diante de situações corriqueiras, como o ataque de um animal. E o que isso quer dizer? Que as pessoas que manifestavam um certo grau de ansiedade conseguiam sobreviver com maior facilidade. Por exemplo, se tivessem dois homens andando e um deles fosse mais ansioso teria grandes chances de se sobressair sobre o outro, pois o corpo estaria em alerta e pronto para reagir.

Apesar de fazer parte do instinto humano, a ansiedade, com o passar dos anos, tornou-se um problema. Com tantas informações disponíveis – como a descoberta de um novo vírus ou a ligação de alimentos com doenças graves – a chance de desenvolver transtornos de ansiedade crescem, pois as pessoas deixam de viver o presente e se preocupam apenas com o futuro. “A sociedade exige que você tenha ou seja algo e, nessa busca, as pessoas acabam por não perceber o que fazem e como fazem. Assim, a busca incessante e desenfreada fica vazia, gerando sofrimento e ansiedade”, alerta o psicólogo.

LEIA TAMBÉM

Texto: Larissa Tomazini Consultoria: Fabrício Maurício, psicólogo, coach, consultor em gestão e escritor Fonte: Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.