"Amar seu filho é diferente, único, exclusivo e maior", diz Malvino Salvador em entrevista

Ator falou sobre a relação com suas filhas e como dribla a distância para matar a saudade da mais velha

None

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/12/2014 às 10:02
Atualizado às 20:50

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Malvino Salvador falou sobre a relação dele com suas duas filhas e também como a maior, Sofia, de 5 anos, se sentiu quando Ayra nasceu. Além disso, o ator explicou o que mudou na sua vida depois da paternidade:  “É um tipo de amor único”. Veja a entrevista feita durante um evento promovido por uma marca de produtos infantis, a qual Malvino é parceiro.

Foto: Alex Carvalho/Globo

Foto: Alex Carvalho/Globo

Papo Feminino: Suas filhas têm ciúme uma da outra?
Malvino: “Minha filha mais velha, a Sofia, já tem cinco anos, então, já não sente ciúme da irmã, Ayra, que tem dois meses e meio. Talvez, se ela fosse mais novinha, sentisse. E nós a preparamos com muito cuidado para receber a bebê, dissemos que ela ajudaria a cuidar e proteger a irmã. Quando fizemos o quarto para a mais nova, fizemos para a Sofia também.”

Papo Feminino: Como é a relação à distância com sua primeira filha?
Malvino: “Mesmo que a minha primeira filha more com a mãe, em Brasília, a gente não deixa de manter contato. Ela vem sempre para o Rio de Janeiro. Já veio quando minha segunda filha nasceu e voltará agora para o Natal. Então, ela está sempre presente e até já pega a Ayra no colo. Nós nos falamos pelo FaceTime e ela pede para ver a irmã. Tudo depende de como você prepara a criança para a chegada de outra. Temos que fazer as coisas de forma que ela queira se envolver e curtir a criança.”

Papo Feminino: No começo, você sofreu com a distância?
Malvino: “Minha primeira filha morou durante um ano e meio no Rio de Janeiro. Então, nesse período, tive contato diário com ela. Depois, quando a mãe mudou para Brasília, ela foi junto. Mas sempre mantivemos contato, sempre fui para lá. Claro, eu gostaria que minha filha estivesse comigo todos os dias. Mas se tem que ser dessa forma… Juntos, eu e a mãe dela fazemos com que seja uma coisa saudável para a minha filha, mantendo o contato pelo telefone, Facetime… Antes, eu ia buscá-la em Brasília. Agora, ela já vem para o Rio de Janeiro de avião sozinha.”

Papo Feminino: Como está o momento com a segunda filha?
Malvino: “É maravilhoso reviver tudo isso. Quando estou fora de casa, tudo que quero é voltar rapidamente para estar junto com ela. Acompanhar essa fase é muito bonito, pois cada semana tem algo diferente, é uma evolução muito rápida.”

Papo Feminino: Você troca as fraldas dela?
Malvino: “Já troquei fralda das minhas duas filhas, claro que não todo dia, prefiro gerenciar (risos). Mesmo que não faça com frequência, quis ter a experiência. Temos uma profissional que nos ajuda, mas acho extremamente importante não só trocar fralda, mas conversar. A mais nova tenta me imitar quando falo com ela. Isso vai ficar na minha lembrança pra sempre como pai.”

Papo Feminino: E como escolheu o nome da caçula, Ayra?
Malvino: “A família da Kyra é de lutadores e eles tem a tradição de nomes fortes. A Kyra, claro, não queria fugir dessa regra. E eu achei bacana. Aí, brinquei com a Kyra, dizendo que a família dela é muito grande e todos os nomes bons já tinham sido dados (risos). Então, pesquisamos e na série Game of Thrones, que eu amo, tinha uma guerreirinha, a Arya. E eu sugeri esse nome. Mas a Kyra achou que fossem confundir com “área” de lugar, de espaço. Logo, sugeri Ayra, trocando o “y” de lugar. A Kyra gostou e fomos procurar o significado. Ayra é de origem indígena e significa filha. Achamos bonito e decidimos.”

Papo Feminino: As mulheres costumam dizer que, depois do nascimento de um filho, o olhar em relação à vida muda. Com você também aconteceu isso?
Malvino: “Claro, pois você tem um ser que depende de você, dos pais. Então, existe uma responsabilidade maior. Claro que muda o ponto de vista e a perspectiva completamente. E você tem a compreensão sobre um tipo de amor que é único, que não existe paralelo. Você pode amar seus pais, irmãos, amigos e esposa, mas amar seu filho é diferente, único, exclusivo e maior.”

Papo Feminino: Sua filha mais velha já compreende que você é ator e faz parte do mundo artístico?
Malvino: “Ela sabe que eu sou ator, que apareço na televisão. Mas não tem percepção da dimensão da fama. E eu nem quero que ela tenha isso agora, pois não importa. A minha preocupação maior é mostrar que, quando ela assistir uma cena minha em uma novela ou filme, trata-se do meu trabalho. Digo a ela que é como no teatro. Eu e a mãe dela gostamos de levá-la ao teatro para entender que aquilo é uma encenação, não é a vida real, que estamos brincando de fazer aquilo. Ela própria já fez teatro na escola e compreende totalmente.”

Papo Feminino: Você quer mais filhos?
Malvino: “Eu quero ter muitos filhos, mas não já. Agora vou dar um tempinho, mas no futuro sim. Gosto de família grande.”

Papo Feminino: E os trabalhos, o que vem por aí?
Malvino: “Estou em cartaz com a peça Chuva Constante, no Rio de Janeiro. E não tivemos nenhuma crítica negativa. Todas as críticas foram maravilhosas e o público sai arrebatado do espetáculo. Me dá muito prazer estar no palco e desenvolver um personagem que me dá tanto prazer. A peça vem para São Paulo depois do carnaval. Neste momento também estou filmando a continuação do filme Qualquer Gato Vira -lata, que está muito engraçado.”

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.