Exames femininos de rotina: especialista explica quais os principais e como são realizados

Fundamentais para a prevenção de doenças e para o cuidado da saúde sexual e reprodutiva, os exames femininos costumam ser cercados por mitos e dúvidas

Por Bruno Ribeiro - 26/10/2017
foto de uma mulher em um consultório, conversando com uma médica

(Foto: iStock / Getty Images)

O sucesso da campanha do outubro rosa nos últimos anos levantou o debate sobre outros aspectos da saúde feminina. Por exemplo: toda mulher com vida sexual ativa deve consultar o ginecologista, no mínimo, uma vez por ano. Para melhor avaliação, há uma série de exames que precisam ser feitos para complementar a observação clínica em consultório. Os principais pedidos de exames femininos femininos de rotina são o Papanicolau, o ultrassom transvaginal, de mama, colposcopia e mamografia.

“Os exames de rotina laboratoriais envolvem hemograma completo para checar anemia, com avaliações hormonais, tireoideanas, de diabetes, colesterol, ácido úrico e vitamina B12. Ainda, há os exames de imagem para analisar útero, ovários e mamas, com o intuito de descartar cistos e nódulos”, explica Maria Rita Curty, ginecologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão.

A profissional ressalta ainda a importância de realizar o Papanicolaou, exame microscópico que coleta uma amostra de células da região da entrada do útero a partir da raspagem com uma espátula especial. “A importância de realizar o Papanicolaou rotineiramente é detectar ainda no início o câncer de colo de útero, além de outras doenças infecciosas, como clamídia, gonorreia, candidíase e HPV”, alerta Maria Rita. Dentre os exames femininos mais tradicionais, outro de destaque é a própria mamografia. “Este é fundamental para prevenção do câncer de mama e deve ser realizado a partir dos 40 anos de idade, se não houver histórico da doença na família”, lembra a profissional.

Quanto aos desconfortos que os exames de rotina podem gerar, a ginecologista destaca que isso só é comum na colposcopia com biópsia ou na vulvoscopia, e na mamografia. “Na colposcopia e vulvoscopia, jogamos ácido acético na região vulvovaginal, o que pode ocasionar prurido e irritabilidade. A biópsia pode gerar cólicas pélvicas. Já a mamografia leva a um incômodo temporário devido à pressão da máquina que realiza o procedimento”, finaliza.

LEIA TAMBÉM