Estresse interfere na qualidade do sono e na balança

O estresse não é um mal que atinge apenas a mente, como muitos pensam. Ele pode interferir na qualidade do sono e causar um desequilíbrio no peso

mulher com os olhos arregalados
Foto Shutterstock.com

Poucas coisas na vida são tão ruins quanto uma noite mal dormida. Afinal, o sono é o grande repositor de energia do organismo. E uma das consequências do excesso de corticoides no corpo, um dos efeitos do estresse prolongado, é justamente a insônia. Mas nem sempre o sono ruim é uma consequência do estresse, podendo, inclusive, ser uma de suas causas. O que se sabe é que pessoas estressadas, em geral, têm a qualidade do sono bastante prejudicada e o excesso de cortisol também está associado ao problema.

mulher com os olhos arregalados

Foto Shutterstock.com

O estresse interfere no sono porque na hora de dormir o cérebro não elimina os estímulos que recebeu durante o dia. Assim, as preocupações, decepções ou mesmo alegrias diárias permanecem na mente mesmo na hora do descanso. Como a reação individual a esses estímulos é diferente, muitas pessoas acabam tendo uma predisposição a perder o sono em virtude do estresse que sofrem no trabalho ou nas relações familiares, por exemplo.

Quilos a mais (ou a menos)

Um dos efeitos mais prejudiciais do estresse é abrir portas para a obesidade, uma vez que o cortisol favorece o acúmulo e gordura na região abdominal. Não são todas as pessoas que estão sob estresse que sentirão esse efeito, apenas aquelas que possuem uma predisposição para a obesidade. Inclusive, há situações em que acontece o contrário: o indivíduo perde o apetite e emagrece bastante.

Outro efeito fisiológico do estresse que se relaciona à obesidade é a tendência a uma menor produção de serotonina, substância relacionada ao prazer. Com isso, pode acontecer de, ao comer algo gostoso, o cérebro ativar uma área ligada ao prazer e passar a “pedir” mais comida para compensar a falta de serotonina.

E mais: o estresse aumenta a retenção de sódio no organismo, provocando os indesejáveis inchaços. Como resultado, não há dieta que resista! Isso sem contar que a ansiedade provocada pelo estresse pode levar à compulsão por comida.

LEIA TAMBÉM:

Edição: Augusto Biason/ Colaborador

Consultorias: Bernard Miodownik, psicólogo; Regiane Machado, psicóloga; Marina Delduca Cilino, psicóloga; Leonard Verea, médico psiquiatra.