A importância do estímulo familiar para a inteligência das crianças

A infância é o período mais importante quando se trata do desenvolvimento cerebral. Por isso, é essencial o estímulo para a as crianças por parte dos pais

filho-mae-tintas-estÍmulo
FOTO: iStock.com/Getty Images

Entre os fatores ambientais que colaboram para a formação da inteligência está o estímulo. Por isso, é essencial aproveitar a capacidade de aprendizado da criança para ajudar a formação da inteligência. O neurologista clínico Fabio Sawada Shiba  explica que é preciso incentivar as habilidades visuais e auditivas, incluindo a fala. Também é necessário fazer brincadeiras que treinem habilidades como a coordenação motora.

Para o psiquiatra Jô Furlan, é papel da família, ainda, estimular os estudos, cobrar comprometimento e ensinar a resiliência e o estímulo à superação. Ele reforça que existem o lado criativo e o lado lógico, e que ambos devem ser incentivados. Dessa forma, a criança trabalha os dois hemisférios do cérebro, além do lobo frontal, “que terá um papel fundamental no desenvolvimento das crenças e valores, assim como na tomada de decisões”, explica.

filho-mae-tintas-estÍmulo

FOTO: iStock.com/Getty Images

Em todas as atividades da criança, sejam desenhos ou outras brincadeiras, é importante valorizar e estimular a criatividade, a iniciativa, a proatividade, o planejamento e a ação. Não basta dizer que está bonito, e sim promover a melhora, buscando outras fontes da criança se aprimorar e se desenvolver, como revistas de desenho e brincadeiras de colorir. “Percebo que, hoje em dia, os pais estão mais preocupados em elogiar ao invés de estimular o crescimento, o desenvolvimento. O cérebro necessita de estímulos e desafios. Se ele não for exercitado, ficará cada vez mais preguiçoso”, afirma Furlan.

Quem precisa de mais estímulo?

É de conhecimento popular que as meninas alcançam a maturidade mais rápido. De fato, pesquisas recentes revelaram que o cérebro delas amadurece cerca de cinco anos antes dos meninos. Estima-se que esse processo costuma acontecer entre os dez e 12 anos nelas e entre os 15 e 20 anos neles. Porém, isso não significa que as garotas sejam mais inteligentes, já que não foram identificadas diferenças na performance intelectual dos dois gêneros.

 

LEIA TAMBÉM

Texto: Karen Barbarini – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Entrevistas: Karina Alonso/Colaboradora – Consultorias: Fabio Sawada Shiba, neurologista clínico; Jô Furlan, psiquiatra