Zika vírus e microcefalia: veja as principais dúvidas

Além de sempre buscar tomar medidas preventivas contra o zika vírus, é importante tirar dúvidas recorrentes sobre a microcefalia

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 26/10/2016 às 09:03
Atualizado às 11:49

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Mesmo a ciência esclarecendo muitas questões desconhecidas sobre a relação entre o zika vírus e a microcefalia, é natural que ainda restem algumas perguntas. Confira algumas respostas:

1. Como o vírus é transmitido da mãe para o bebê?

Esse é um dos aspectos que ainda não estão totalmente esclarecidos na relação entre o zika e a microcefalia. No entanto, um estudo com gestantes cujos bebês foram diagnosticados com microcefalia ainda no útero descobriu a presença do micro-organismo no líquido amniótico, que envolve o bebê dentro da barriga.

Assim, uma hipótese bastante viável é a de que depois de entrar na corrente sanguínea da mãe o vírus atravesse a barreira placentária – responsável por proteger o bebê de infecções e é formada por vasos tanto da mãe como do feto – e concretize a contaminação.

zika-virus-mosquito-pele

FOTO: Shutterstock.com

2. Existe um período da gestação em que a contaminação pelo zika vírus apresenta riscos maiores ou menores?

Sabe-se que o primeiro trimestre de gravidez é sempre o mais delicado, e isso em qualquer situação, independentemente do zika. Nesse período há uma queda na imunidade da gestante, o que amplia as chances de o vírus, seja ele qual for, ultrapassar a barreira placentária. Apesar disso, recomenda-se que as mulheres redobrem os cuidados por todo o período de gravidez.

3. Além da microcefalia, a infecção intrauterina por zika vírus pode causar outros danos ao bebê?

Já foram relatados casos de outras malformações cerebrais e de tronco encefálico como a lisencefalia (também conhecida como Síndrome de Miller-Dieker, na qual a criança nasce com o cérebro “liso”, sem os sulcos e reentrâncias normais) e calcificações, além de alterações de fundo de olho e, consequentemente, da visão.

4. Quais são as consequências da microcefalia?

A ocorrência de microcefalia, por si só, não determina a existência de sintomas neurológicos. Crianças com perímetro cefálico abaixo da média podem ser cognitivamente normais, sobretudo se a microcefalia for de origem familiar. Contudo, em 90% dos casos de microcefalia há comprometimento intelectual variável.

Além disso, pode associar-se a atraso no desenvolvimento neurológico (motor e cognitivo), epilepsia, espasticidade (rigidez), alterações de comportamento, dificuldade de sucção e deglutição, prejuízo às funções sensitivas (audição e visão), além de outras complicações.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevistas: David Cintra – Edição: Giovane Rocha/Colaborador

Consultorias: Marcela Amaral Avelino Jacobina, neurologista da Amato Instituto de Medicina Avançada; Ana Elisa Baião, ginecologista; Marcio Fernandes Nehab, pediatra; e Tânia Saad, neurologista.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.