ESTILO DE VIDA

Você tem fome de quê? Conheça os tipos de fome e diferenças!

A sensação de fome pode ser a mesma, mas as causas desse estímulo para comer podem ser diferentes. Saiba como diferenciar cada tipo e ter mais saúde!

None
Foto: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 17/08/2016 às 19:35
Atualizado às 21:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

“A sensação de fome é um tanto quanto controversa”, destaca a nutricionista Vanessa Pimentel. Isso porque ela não pode ser caracterizada como uma coisa só, apesar do sintoma ser o mesmo: aquela pontada na boca do estômago e ansiedade por um pedaço de comida.

“Haveria, inicialmente, que se distinguir a fome aguda, aquela momentânea, da fome crônica, que é permanente e da vontade de comer”, destaca a profissional. Aprenda a diferenciá-las e como suprir a sua fome da melhor forma!

conheca-os-tipos-de-fome

Foto: Shutterstock Images

Estado de privação

Ficar muito tempo sem comer, ou ingerir menos que 50% do que seu corpo precisa, faz com que ele entenda que tenha que estocar gordura, que leva ao acúmulo dessa substância.

Por isso, quando seu estômago te chama para comer, não finja que não está escutando. “Normalmente o organismo entra em modo de privação quando ficamos mais de 3 horas sem comer nada”, destaca a nutricionista.

DICA: drible esse problema comendo pequenas refeições, pelo menos, a cada três horas. Assim você fica mais saciado e evita gordurinhas localizadas.

Fome celular ou nutricional

É necessário um plano alimentar balanceado para que seu corpo esteja efetivamente nutrido. Caso isso não aconteça, o organismo sente a falta dos nutrientes, sabia?

Os sintomas são dor de cabeça, dores no estômago e irritabilidade, parecidos com o do estado de privação. Por isso, pode parecer que está com fome, mas na verdade seu corpo está pedindo uma alimentação adequada.

DICA: fazer seis refeições ao longo do dia e bem colorida, com grupos alimentares variados, como frutas, verduras, grãos, carboidratos e proteínas fazem a diferença no estado nutricional.

Fome por ansiedade

Esse tipo é aquele que engana. Seu corpo não está pedindo energia e muito menos por nutrientes. Mas, mesmo assim, você tem aquela sensação de que precisa comer (muitas vezes uma barra inteira de chocolate!).

Por isso, vale a pena prestar atenção para não cair em ciladas alimentares e evoluir para uma doença, como a compulsão alimentar. Nesse caso, procure orientação médica e nutricional, ok?

DICA: a melhor maneira de reverter essa sensação é tentar controlar as emoções e buscar um alimento mais saudável para beliscar. Que tal investir em frutas frescas e castanhas?

Quando a sede se confunde com fome

Sim, isso pode acontecer! “Se você anda negligente com o consumo hídrico e sentir fome, antes de atacar o alimento beba um copo de água e aguarde 15 minutos”, indica a profissional. Aí você pode avaliar se de fato estava com fome ou era necessidade de líquidos.

DICA: se você acha difícil o consumo regular de água durante o dia, invista em águas saborizadas intercaladas entre refeições. Apetecem o paladar e ainda ajudam na hidratação do corpo.

snack-saudavel

Foto: iStock.com e Getty Images

Dica: marmita esperta

Na correria do dia a dia podemos passar horas sem se alimentar ou abocanhar ingredientes nada saudáveis. Então, que tal reforçar a marmita? Invista em granolas, grãos, castanhas, sucos e frutas, para não privar o corpo de energia, nutrientes e dar um jeito na sede e na ansiedade!

Saiba mais:

Compulsão alimentar pode ser doença

5 dicas para controlar a sua ansiedade

Como a ansiedade se reflete no corpo humano

Consultoria Vanessa Pimentel, nutricionista