Época de vestibulares faz a ansiedade aumentar. Saiba como ajudar os jovens

Com os vestibulares se aproximando, jovens tendem a sentir a ansiedade se intensificar. Descubra como ajudá-los nessa fase

None
FOTO: Reprodução/Pixabay

por Redação Alto Astral
Publicado em 28/10/2016 às 10:27
Atualizado às 13:25

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Ter que decidir seu futuro profissional em torno dos 17 anos não costuma ser uma tarefa fácil. “No geral, com essa idade o adolescente não possui o amadurecimento necessário tampouco o conhecimento das áreas para escolher definitivamente sua carreira”, afirma o psicopedagogo Newton Ishimitsu. A cobrança e a pressão só tendem a acentuar a ansiedade natural na tomada de decisão antes dos vestibulares. Por isso, o ideal é buscar dar apoio ao jovem e, se necessário, buscar ajuda profissional.

Época de vestibulares faz a ansiedade aumentar. Saiba como ajudar os jovens

FOTO: Reprodução/Pixabay

De acordo com o profissional, o primeiro passo para amenizar a ansiedade é realizar um teste vocacional, aplicado por psicólogos. “É importante para que o jovem possa tanto conhecer suas capacidades quanto para saber um pouco mais sobre as diversas carreiras que se encaixam no seu perfil”, destaca. Deixar claro para o jovem que a escolha feita no vestibular não é eterna, mas que pode ocorrer mudanças de carreira, também deve ser papel dos pais. “Muitos profissionais se formam em uma área, mas acabam atuando em outra”, lembra Ishimitsu.

O papel dos pais

Além de tranquilizar os filhos durante a fase de vestibulares, os pais também devem ser participativos e dar suporte familiar. “É fundamental que os pais atuem para que exista um relacionamento aberto com seus filhos, pois dessa forma os jovens podem falar de forma franca o que passa pela sua cabeça, o que faz com que possa procurar neles um ponto de apoio para superar a ansiedade e outros problemas”, destaca o profissional. Quando já instaurada a ansiedade, é função dos pais comunicar a escola, buscar acompanhar o filho no tratamento e até participar de terapia, se necessário.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevistas: Natália Negretti – Edição: Augusto Biason / Colaborador

Consultoria: Newton Ishimitsu, psicopedagogo e diretor pedagógico do Aliança Vestibulares (SP).

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.