Mitos e verdades sobre a velhice de cães e gatos

A velhice dos cães e gatos é revestida por mitos e curiosidades. Pensando nisso, sanamos todas as suas duvidas consultando uma veterinária.

None
Foto: reprodução/Pexels.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 04/08/2017 às 17:45
Atualizado às 13:42

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A idade chega para todos. Inclusive, para os nossos amiguinhos. Por isso, conversamos com uma veterinária para tirar todas as suas duvidas sobre a velhice dos seu bichinho e para te ajudar a encarar essa fase.

Na velhice, eles ficam cegos?

Verdade: “normalmente, animais idosos desenvolvem a catarata, sendo mais frequente em animais de pequeno porte do que nos de grande porte”, adverte a médica Adriane Heiko Tomimassu. Mas, atualmente, existem cirurgias para correção da catarata, nas quais o animal volta a enxergar normalmente. O melhor é consultar um especialista.

Não correm mais?

Mito: “correm sim”, garante Adriane. Se o animal, apesar da idade, não apresentar nada que o impeça de correr, como excesso de peso, problemas articulares, de coluna ou cardíacos, pode correr e se exercitar sem problema algum. “É importante que continuem com as atividades físicas, como correr e jogar bola, mas claro, devem ser adaptadas à terceira idade. Você pode jogar a bolinha para o seu cão, mas é mais prudente jogá-la mais perto e menos vezes”, ensina.

Caem os dentes?

Mito: “se o dono do cão ou gato fizer a higiene bucal de seus animais com freqüência, ou seja, escovação diária ou pelo menos 3 vezes por semana, não irá formar o tártaro, impedindo a queda precoce dos dentes devido a doença periodontal”, continua. Ela sugere que, pelo menos 1 vez ao ano, o animal passe por uma avaliação odontológica, feita pelo veterinário.

Perdem os pelos?

Mito: “mesmo cães e gatos idosos não tendem a ficar sem pelos”, afirma a veterinária. Normalmente, a falta de pelos pode estar associada a um problema hormonal, dermatite ou até mesmo falta de nutrientes na alimentação.

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.