Uso excessivo de redes sociais pode ser causa de ansiedade

As redes sociais nos bombardeiam com informações a todo momento. Entretanto, o constante fluxo de comunicação colabora para o desenvolvimento da ansiedade

None
FOTO: Shuttesrtock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 13/03/2017 às 12:36
Atualizado às 13:37

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Um lugar para se distrair, se informar, se comunicar e… ficar mais ansioso! As redes sociais são um verdadeiro fenômeno atual. Crianças, jovens e adultos muitas vezes passam horas online conferindo notícias, conversando, postando intimidades e uma infinidade de ações que redes como Facebook, Instagram e Twitter permitem. Ao mesmo tempo em que elas podem ser usadas para o relaxamento, isto é, fugir por um tempo das responsabilidades e tarefas cotidianas conferindo informações aleatórias ou colocando o papo em dia, as redes sociais também podem colaborar para aumentar a ansiedade.

Uso excessivo de redes sociais pode ser causa de ansiedade

FOTO: Shuttesrtock.com

Isso porque a sensação de cobrança para estar o tempo todo por dentro das novidades, além de estar exposto aos mais diversos posts que, na maioria das vezes, exibem uma vida alheia feliz, interferem para que haja pressão e ansiedade.

“As redes sociais acabam contribuindo na produção de adrenalina e cortisol, que viciam. As pessoas ficam ligadas e dependentes. Mas também vejo o efeito que as redes sociais trazem para relaxar, quando entra a produção de dopamina, que deixa a pessoa mais relaxada, algo que também pode gerar dependência”, destaca o neuropsicólogo Aristides Brito. A dica é sempre o bom senso. Dedicar alguns minutos às redes sociais pode lhe fazer bem; porém, é preciso não abusar.

Atento aos sinais!

Alguns comportamentos indicam que sua dedicação à tecnologia está exagerada. “Os indivíduos ansiosos passam a realizar as atividades cotidianas pensando o tempo todo no jogo, na rede social, nos aplicativos e diversos usos que a tecnologia permite”, ressalta o psicólogo Mateus Martinez. Confira alguns sinais:

  • Checar constantemente o celular;
  • Sentir estresse por lidar com um fluxo intenso de informação;
  • Insônia;
  • Dificuldade de concentração em atividades como trabalho, estudo e tarefas domésticas;
  • Não conseguir ficar um dia ou mais sem conectar-se à internet, sentindo angústia, tensão e nervosismo.

LEIA TAMBÉM

Consultorias: Aristides Brito, neuropsicólogo; Mateus Martinez, psicólogo do Núcleo de Pesquisas da Psicologia em Informática (NPPI) da PUC-SP.

Texto: Natália Negretti – Entrevistas: Giovane Rocha/Colaborador e Natália Negretti – Edição: Augusto Biason/Colaborador

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.