Úlcera: saiba como ela se forma e como diagnosticá-la

A úlcera pode ser uma doença muito incômoda e agressiva. Entenda como se formam as feridas no interior do estômago e como diagnosticar esse mal

None
A úlcera é causada por uma bactéria no estômago ou duodeno FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 02/05/2017 às 09:16
Atualizado às 13:45

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Úlcera péptica pode ser classificada tanto como estomacal, quando ocorrem na parede interna do estômago, como também duodenal, quando acometem o duodeno, tubo que liga o estômago ao começo do intestino delgado. Mas o que leva à sua ocorrência?

Como se formam

A origem das úlceras está diretamente ligada à digestão da comida, que começa ainda na boca, onde tanto a mastigação quanto a salivação são responsáveis por começar a quebrar as partículas dos alimentos, para que seus nutrientes possam ser posteriormente absorvidos. Se não fosse por esse processo, o organismo não obteria energia suficiente para realizar suas diversas funções.

Após ser engolido e atravessar a faringe e o esôfago, o alimento chega ao estômago, onde é submetido a compostos químicos de caráter bem mais ácido, no intuito de dissolver o que resta do que foi digerido em partículas ainda menores, antes de ser encaminhado ao intestino para a posterior excreção. O revestimento interno do estômago e do duodeno já é, por natureza, resistente a tamanha acidez. Porém, o sistema não é 100% eficaz e as úlceras são justamente as feridas que se formam quando as mucosas dos dois órgão são corroídas pela mistura do bolo alimentar com o suco gástrico.

Bactéria perigosa

A bactéria Helicobacter pylori responde pela maioria dos casos de úlceras pépticas. “Essa bactéria é muito especial na história da humanidade. Ela se aloja no estômago em um ambiente muito ácido e produz uma inflamação crônica. Foi a responsável, durante muito tempo, pelas úlceras de estômago e duodeno sem que a medicina soubesse desta relação”, explica o gastroenterologista Nilton Machado.

Um detalhe importante na atuação da temida bactéria é que ela não necessariamente leva a um aumento da acidez estomacal, mas sim deteriora o muco que reveste o estômago e o duodeno, tornando-os mais frágeis do que o usual. Há, inclusive, situações em que secreta substâncias antiácidas para que ela mesma possa sobreviver.

mulher de blusa listrada e óculos com as mãos nos estômago, expressão de dor

A alimentação influencia e muito o seu estômago | Foto: Shutterstock

E não são todos os seus portadores que obrigatoriamente irão desenvolver algum tipo de úlcera — há espécies menos e mais agressivas da Helicobacter pylori e fatores genéticos podem tornar certas pessoas mais predispostas ao problema.

Quando não é a bactéria que está envolvida nas causas da úlcera, muito provavelmente os motivos remetem ao uso abusivo de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides, a exemplo da aspirina e libuprofeno. Portanto, quem precisa fazer uso de algum remédio que se enquadre na categoria precisa consultar o médico sobre a possibilidade de alguma outra alternativa.

Complicações geradas pela úlcera

Sangramento: ocasionalmente, é o único sinal da doença. Quando lento, causa anemia e fadiga. Quando acelerado, costuma ter implicações graves e pode ser percebido por meio das fezes e vômitos mais escurecidos ou presença de sangue em ambos.

Perfuração: é mais grave do que os sangramentos, pois, através do buraco na parede do estômago, o suco gástrico, assim como os alimentos e bactérias, pode extravasar, culminando em dor súbita e aguda, exigindo tratamento cirúrgico.

Obstrução: a cicatrização dos edemas pode levar a um inchaço, que obstrui a passagem dos alimentos, resultando em vômitos e perda de peso.

Diagnóstico

O exame de endoscopia digestiva alta é o mais indicado para a confirmação da úlcera e sua causa. Envolve o uso de um tubo flexível — de diâmetro reduzido e com uma microcâmera de vídeo na ponta — que, introduzido por via oral, atravessa esôfago, estômago e duodeno. Simultaneamente, o médico pode acompanhar todo o andamento por meio de um monitor de vídeo, além de coletar pequenos fragmentos para análise. A presença da Helicobacter Pylori precisa ser confirmada, para que o melhor tratamento possa ser avaliado. A endoscopia é realizada com o paciente sob sedação.

Texto: Redação Alto Astral

Consultoria: Nilton Machado, gastroenterologista

LEIA TAMBÉM

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.